Card image
Testes
Royal Enfield Meteor 350 chega para reinar sozinha

4 Minutos de leitura

  • Publicado: 10/07/2021
  • Por: Ismael Baubeta

O lançamento da Meteor 350 mostra que a Royal Enfield segue dando cartadas para continuar crescendo e se consolidando como uma das maiores do mundo, e o Brasil está nos planos da marca, isso é fato.

A pequena cruiser vai preencher uma lacuna que há tempos já não tem representante por aqui, ela vai ficar entre as motos de 150 cm³, Dafra Horizon e Haojue Copper Road e a de 600 cm³, Kawasaki Vulcan 600, como não existe opção neste gap, ela deve reinar absoluta como opção intermediária.

Andamos na nova Meteor 350 na região de São Bento do Sapucaí (Fábio FilmMaker)

Veja também:
A moto é segura? Depende do fator humano!
Benda LFC 700 é lançada oficialmente com motor de 4 cilindros

Uma café racer para iniciantes: conheça a Mitt 301 Legend

Versões da Royal Enfield Meteor 350

São três versões da Meteor 350, Fireball, Stellar e Supernova, que diferenciam entre si em alguns equipamentos e pintura, os preços partem de R$ 17.990 (Fireball) e chegam aos R$ 18.990 (Supernova), a versão intermediária (Stellar) custará R$ 18.490, a este preço deve-se acrescentar o frete de R$ 1.000, para qualquer parte do Brasil.

Stellar é a versão intermediária, e ela já vem de serie com Sissy Bar e outros adereços (Fabio FilmMaker)

Design e ergonomia

À primeira vista saltam aos olhos os detalhes e a qualidade no acabamento da Meteor. Pintura, cromados, banco, encaixes, tudo foi muito caprichado. A Meteor é estreita, o banco é baixo (765 mm) e montar nela é tarefa simples. O banco é largo, macio e bem confortável. A posição de pilotagem é bem neutra e relaxada. A distância do corpo até o guidão, combinada com as pedaleiras levemente adiantadas comportam boa gama de biotipos, eu com meu 1,8 metro me senti bem encaixado nela.

Como é acelerar a Meteor

Os botões de comando nos punhos são giratórios, um detalhe autêntico e que ficou bem bacana no design.

Em ação com a versão Fireball, modelo de entrada da nova Meteor 350 (Fábio FilmMaker)

Dando a partida você ouve um ronco grave saindo do escape, uma preocupação da Royal Enfield para deixar o modelo mais empolgante. O motor é monocilíndrico de duas válvulas, refrigeração a ar e o câmbio tem cinco marchas. Por fora ele lembra aqueles motores mono de cilindro e cabeçote largos, volumoso de antigamente, ele é muito bem-acabado. Ele é pintado de preto e tem a ponta das aletas escovadas, o design é requintado e muito bonito também. Quem sobe numa moto de 350 cm³, 20,2 cv e 2,7 kgf.m de potência e torque máximos, não deve esperar desempenho sobressalente, é claro, ele tem suas limitações, mas é suficiente para um rodar tranquilo, tanto na cidade quanto na estrada.

Ciclística

A Royal Enfield desenvolveu o chassi de berço duplo de forma que na parte da frente o motor é parafusado em uma secção no início do chassi, com dois parafusos e dois coxins, o que, segundo a fábrica aumentou a rigidez do conjunto. Na prática, rodando por estadas sinuosas em nosso rolé, na região de São Bento do Sapucaí, no interior de São Paulo, o conjunto se mostrou bem equilibrado, muito leve e de fácil dirigibilidade, permitindo bastante diversão neste cenário.

Versão top de linha, Supernova traz de série itens como para-brisa e pintura em dois tons (Divulgação/Royal Enfield)

Já na cidade, nos trechos mais esburacados ou rodando por paralelepípedos, as suspensões me pareceram um pouco rígidas demais, transferindo boa parte de seus movimentos para o corpo. Na suspensão traseira é possível ajustar a pré-carga da mola em 6 diferentes posições, mas nós não mexemos na regulagem, talvez isto pudesse amenizar a rigidez na traseira.

O sistema de freios é composto por dois discos e ABS de dois canais. Na frente o disco tem 300 mm de diâmetro a pinça flutuante de dois pistões, atrás, ele mede 270 mm e a pinça é de pistão único. O sistema funciona bem e tem boa pegada, no início do rolé se mostrou um tanto borrachudo, mas com o passar dos quilômetros foi melhorando e ficou mais eficiente. Suficiente para conter os 191 quilos da moto e transmitir segurança na tocada.

Painel da Meteor 350 tem visual clássico e sistema Tripper de série (Divulgação/Royal Enfield)

Acompanhe a MOTOCICLISMO também pelas mídias sociais!
– 
Instagram – Facebook – YouTube – Twitter

A Royal Enfield está entrando em um nicho que por hora não tem concorrentes diretos, como segmento o volume de vendas possível ainda é uma incógnita, mas a Meteor 350 tem atributos de qualidade e design suficientes para seduzir novos motociclistas, seja os que querem mudar de categoria, seja os que entram no mundo da motocicleta e querem se diferenciar na multidão. A oferta de uma série de acessórios originais dá opção ao cliente de customizar sua moto de acordo com seu estilo e ajuda a marca a oferecer mais um diferencial na hora da escolha, melhor para todos.

Conteúdo Recomendado

Comentários