Card image
Testes
Honda SH 300i Sport: classe executiva com sotaque esportivo

5 Minutos de leitura

  • Publicado: 26/06/2021
  • Por: Alexandre Nogueira

O Honda SH 300i Sport é o modelo de apelo mais esportivo da família SH, que tem o SH 150i como porta de entrada. O SH 300i não obteve o sucesso comercial que a marca esperava, embora seus números sejam de responsa. Em 2020 as duas versões do SH 300i emplacaram 844 unidades, enquanto que o rival precursor da categoria no Brasil, o Dafra Citycom 300 e a versão HD emplacaram 1.120 unidades.

Segundo fontes da Honda, o SH 300 estaria saindo de linha no Brasil para dar espaço ao Forza 350, um scooter de apelo mais estradeiro e mais volumoso que o SH. A Honda poderia deixar a versão Sport do SH 300i para complementar o lineup, mas isto só o tempo dirá.

Veja também:
Nova BMW R 1300 GS é flagrada em testes: veja detalhes
Royal Enfield Meteor 350 próxima da estreia no Brasil
Honda GB350 S é a nova retrô-moderna esportiva

O SH 300 Sport é sofisticado, seu design é bastante conservador sem deixar de ser moderno. O grande para-brisa, embora não seja muito prático, dá um toque europeu ao scooter, já que por lá muitos tem o acessório. Ele é uma boa opção tanto para quem quer entrar no mundo dos scooter, como para quem quer sair dos pequenos e subir o degrau.

Mas não se engane, pois o desempenho do Honda SH 300i Sport é excelente, tanto na cidade, quanto na estrada, onde é possível alcançar velocidade máxima de quase 140 km/h, mas as arrancadas e o ganho de velocidade rápidas chamam a atenção.

O motor do SH 300i é um monocilíndrico refrigerado a água com injeção eletrônica que gera 25,9 cv a 7.500 rpm e 2,70 kgf.m a 5.500 rpm potência e torque máximos. O câmbio CVT faz com que o motor trabalhe sempre na melhor faixa de rotações para aproveitar o torque com a máxima eficiência. As respostas são imediatas e quando se acelera o máximo ele se apresenta com ímpeto e ganha velocidade bem rapidinho. O consumo deste motor é o xeque-mate frente os concorrentes, com médias de 40 km/l na cidade respeitando os limites da lei e sem aceleradas bruscas. Rodando bem sossegado na cidade e só na pontinha do acelerador cheguei a ver 60 km/l no computador de bordo do belo e completo painel digital. O tanque de combustível comporta 9,1 litros então você pode rodar no mínimo 350 km dentro da cidade. Na estrada a 120 km/h a média caiu para bons 30 km/l. A velocidade máxima fica limitada em 140 km/h.

O chassi do SH 300i é reforçado com dupla trave na parte inferior e se mostrou bem firme mesmo nas condições onde abusei um pouco de suas capacidades, atacando curvas de alta velocidade e arriscando manobras bem ousadas em baixa e mesmo assim ele se comportou perfeitamente e com precisão. As rodas de 16 polegadas ajudam no conforto e na estabilidade, ainda mais calçadas com os bons pneus Metzeler FeelFree de perfil esportivo. O assoalho do Honda SH 300i é plano e facilita a vida ao embarcar na máquina, mas o espaço para os pés é bem limitado, principalmente para os mais altos.

As suspensões, como em todo scooter, peca pela pouca eficiência e progressividade, causadas pelo curso limitado. A dianteira usa um garfo hidráulico convencional e a traseira utiliza dois amortecedores com molas progressivas e reguláveis na pré-carga sem o uso de ferramentas, basta usar a força das próprias mãos. O Honda SH 300i Sport vem equipado com ABS de série para auxiliar o disco dianteiro e traseiro a trabalhar. Os freios são bem potentes e suficientes para a proposta urbana do scooter médio da marca da asa.

O Honda SH 300i Sport tem um rodar macio, é ágil e fácil de pilotar, mas em meio ao trânsito ele exige um pouco mais de perícia do piloto por conta do tamanho e do peso de 173 kg quando totalmente abastecido. Esses scooter médios são ágeis, mas tem suas limitações, afinal sua proposta é passear com conforto.

O assento é amplo e macio, a ergonomia é bem ereta, mas limitada pelo encosto lombar, não permitindo que os mais altos encontrem uma posição mais para trás do guidão. Um item que é muito bacana para os dias de frio é o para-brisa dianteiro, mas ele fica instalado inconvenientemente muito próximo do piloto, atrapalhando não só na hora de embarcar, mas também ao circular pela cidade, onde cheguei a bater várias vezes o capacete ao passar por lombadas um pouco mais rápido. Em contrapartida, na chuva ele se torna desagradável, um obstáculo a visão do piloto, já que as gotas de água que ficam nele se somam às da viseira do capacete, tornando a visão bem difícil. À noite é ainda pior com a luz dos faróis em sentido contrário.

É preciso respeitar seus limites e sua tocada, então, convém passar bem devagar nas lombadas, contornando-as, para não ter a desagradável surpresa de tomar um tapa na viseira. O acabamento do Honda SH 300i é muito caprichado e eu diria que é acima da média para a categoria, com um ar de sofisticação e elegância, o grande grupo ótico dianteiro é totalmente em LED e conta com luz de posição diurna, com o farol duplo sobreposto com um emblema SH por dentro. Um luxo. A ampla lanterna traseira em LED conta com setas embutidas com lâmpadas convencionais. Ele não conta com porta luvas, mas há dois porta objetos, um em cada canto do escudo frontal, e o prático gancho para carregar sacolas facilita a vida na hora das compras.

Acompanhe a MOTOCICLISMO também pelas mídias sociais!
– 
Instagram – Facebook – YouTube – Twitter

Outro item de sofisticação e tecnologia é a chave Smart Key da Honda com sensor de presença. Há também uma tomada 12V para carregar equipamentos eletrônicos durante a viagem. O Honda SH 300i Sport custa R$ 24.090 apenas na cor branca perolizada.

Conteúdo Recomendado

Comentários