Card image
Testes
Honda PCX melhorou onde precisava; veja análise

4 Minutos de leitura

  • Publicado: 10/06/2016
  • Por: admin

<p><span style="line-height: 1.6em;">Não demorou para o scooter Honda PCX cair no gosto dos brasileiros. Na verdade, seu sucesso não veio rápido, ele chegou na metade de 2013, e aos poucos a campanha boca a boca funcionou mais do que o marketing da Honda.</span></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">O brasileiro era um pouco reticente em relação aos scooter antes da chegada do PCX 150. Os modelos que vieram antes dele eram frágeis, tinham aquele ar de brinquedos e realmente não aguentavam o tranco do dia a dia.</span></p>

<p><img alt="Segunda geração do scooter Honda PCX" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/motociclismo_teste_honda_pcx_scooter_2016_0_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">O Lead faz um pouco de sucesso, tem como principal atributo o grande espaço embaixo do banco e o assoalho plano, mas seu desempenho é limitado e as rodas pequenas assustam novos usuários. O Honda PCX chegou com ar de scooter bem maior do que a cilindrada anuncia.</span></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Equipado com rodas de 14 polegadas, superesperto de arrancadas e acelerações e com velocidade final por volta de 110 km/h, ele aos poucos foi conseguindo seu espaço. Quem comprou só elogiou e assim vieram novos usuários.</span></p>

<p><img alt="Ainda mais moderno, o painel agora traz informação de consumo e relógio " height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/motociclismo_teste_honda_pcx_scooter_2016_8_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Dentro das grandes capitais ele deixou de ser “a segunda moto” para ser o único veículo de muitas pessoas. De estudantes a diretores de empresas, o PCX veste como uma luva. Fácil de pilotar, seguro, econômico, bonito e quase zero manutenção.</span></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">O executivo não se sente envergonhado de chegar a uma reunião com ele. Muito pelo contrário, ele faz com que os usuários de grandes carros fiquem morrendo de inveja da agilidade, da economia e da facilidade para estacionar.</span></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">A nova versão 2016 foi totalmente redesenhada, perdeu aquele ar de moto asiática e passou a ser mais, digamos, europeu. Todas as luzes agora são em LED, com atenção especial ao novo farol, que aparenta o de uma grande moto esportiva. parabrisa, banco e rabeta também sofreram atualização.</span></p>

<p><img alt="Nova geração do PCX é facilmente identificada pelos faróis de LED" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/motociclismo_teste_honda_pcx_scooter_2016_3_620x467.jpg" style="margin: 0px auto; display: block; width: 620px; height: 467px;" /></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Na verdade, todos os plásticos são novos. Mecanicamente ele é igual, mas a cilindrada passou de 153 cm³ para 149 cm³. Segundo a Honda, acertaram o mapa de injeção de modo tal que essa alteração volumétrica melhorou o consumo sem perder desempenho. Não percebemos isso de uma maneira tão nítida assim.</span></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Na prática, essa alteração não mudou nada ou, se mudou, não é facilmente perceptível. O consumo manteve-se na casa dos 30 km/litro. Agora há um indicador de consumo no painel, mas que não é muito preciso. Sempre rouba uns dois ou três quilômetros.</span></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Bom mesmo e ter a certeza de que agora podemos ultrapassar os 200 km de autonomia com o tanque de 8 litros. O antigo tanque com quase 6 litros pedia comida pouco depois dos 150 km rodados. Com um japonesinho de 50 kg, no plano e com vento a favor, talvez o PCX consiga fazer os 37 km/l que o marcador indica, mas com a equipe da MOTOCICLISMO (todos com mais de 90 kg e acelerador sempre virado) ele marca 30 km/litro, às vezes menos, dentro da cidade.</span></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Fomos até o litoral paulista e conferimos 115 km/h de velocidade final no painel, mas no GPS eram 106 km/h reais. Sabemos que ele não foi feito para autoestrada, mas é bom saber que é possível viajar com ele, especialmente em feriados prolongados quando as estradas ficam lotadas.</span></p>

<p><img alt="A versão avaliada foi a Deluxe, que se diferencia pelos aros dourados" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/motociclismo_teste_honda_pcx_scooter_2016_4_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Na verdade, a grande vantagem do PCX é a praticidade. O porta-luvas novo traz, além de maior capacidade volumétrica, uma tomada 12 V para você poder carregar a bateria do seu smartphone ou ligar um GPS. O novo PCX é lindinho, sem dúvidas, e agora também ganhou novas cores.</span></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Há o preto, o cinza e o branco fosco com rodas douradas, versão Deluxe, que custa R$ 400 a mais. Se há pontos negativos no PCX, digamos que o preço e os amortecedores traseiros não são nada interessantes. A versão testada custa R$ 10 699 e você ainda tem que licenciar e talvez colocar no seguro. Não é barato.</span></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Já os amortecedores traseiros, segundo a Honda, foram revisados, mas continuam fraquinhos para um produto tão bom como é o PCX. Quando estamos sozinhos, não sentimos tanto problema, mas, quando levamos alguém na garupa, percebemos que falta curso e também força de retorno.</span></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Agora eles não batem seco no final de curso, mas se você for levar acompanhante, perceberá que o PCX merecia amortecedores melhores. E, já que colocaram tudo que ele precisava, poderiam ter pensado também em um freio de estacionamento.</span></p>

<p><img alt="A suspensão traseira ainda é o ponto a ser melhorado no PCX" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/motociclismo_teste_honda_pcx_scooter_2016_7_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Tome cuidado quando for estacionar na rampa: como ele não tem marcha, é comum ver alguns escorregando e caindo nas portas de lojas e padarias.</span></p>

<p><strong><span style="line-height: 1.6em;">Equipamentos</span></strong><br />
<span style="line-height: 1.6em;">O novo PCX agora vem com todas as luzes em LED, ganhou pisca-alerta, tomada 12 V e painel com computador de bordo e relógio. Todavia, o grande diferencial do modelo é o sistema Idling Stop, que desliga o motor automaticamante quando a moto para por mais de 3 segundos. Basta acelerar e o motor dá a partida.</span></p>

<p><strong><span style="line-height: 1.6em;">Conclusão, por Eduardo Zampieri</span></strong><br />
<em><span style="line-height: 1.6em;">Como proprietário de um PCX modelo 2014, tenho bastante parâmetro para afirmar que o novo modelo chegou em boa hora. Na verdade ele já existia desde o início de 2014 na Europa, mas a Honda Brasil esperou o modelo antigo decolar primeiro. E como decolou!</span></em></p>

<p><img alt="O assento não tem mais o encostinho do piloto e, agora, trava aberto para acessar o prático guarda-volume, com bom espaço " height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/motociclismo_teste_honda_pcx_scooter_2016_5_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p>Era um produto sem defeitos, mas que carecia de algumas correções, como a trava do banco, maior capacidade no tanque e um porta-luvas maior e com tomada 12 volts. As mudanças visuais vieram de brinde e realmente deram resultado. Exceto a suspensão traseira, que é pobre demais. Não combina com o excelente produto que é o PCX.</p>

Conteúdo Recomendado

Comentários