Card image
Testes
Honda PCX DLX: um scooter charmoso e funcional

5 Minutos de leitura

  • Publicado: 22/06/2022
  • Por: Guilherme Derrico

Scooter mais vendido do Brasil, o Honda PCX continua com uma receita que vem dando certo: design moderno, bom desempenho, tecnologia e economia.

Cada vez mais os scooter estão ganhando a preferência dos brasileiros por diversos motivos, entre eles a praticidade, a economia gerada com este tipo de motocicleta (ainda mais em uma época como a atual, em que o preço da gasolina está nas alturas), a facilidade na pilotagem, o design elegante e a tecnologia embarcada são bons exemplos.

No caso do Honda PCX DLX ABS, que tem preço sugerido de R$ 16.250 (mais o frete), os atributos são bastante interessantes para quem precisa de um veículo ágil e funcional para rodar no dia a dia das grandes cidades.

A começar pelos faróis em LED que garantem uma melhor iluminação e visibilidade ao piloto. Na dianteira, o conjunto óptico ocupa boa parte do escudo frontal, dividindo espaço com o pequeno para-brisa, o que deixa seu estilo mais futurista.

Ergonomia do Honda PCX

O PCX tem boa posição de pilotagem e há bastante espaço para as pernas até o escudo frontal, mas como elas ficam separadas pelo compartimento do tanque de combustível do assoalho, há certa limitação para movimentá-las. O guidão tem uma altura e distância que oferecem bom conforto para pilotar.

Tecnologia e eletrônica embarcadas 

O Honda PCX DLX ABS 2022 vem com painel digital tipo blackout. E entre suas funcionalidades, estão hodômetro total e parcial, velocímetro, relógio, assim como indicador de combustível e registro de consumo médio. A Honda caprichou nos gadgets do PCX, o Smart Key permite destravar e ligar o scooter sem a necessidade de utilizar a chave, item muito prático para o usuário. No porta-luvas uma tomada de 12 V para conectar e carregar equipamento eletrônicos é bastante útil.

LEIA MAIS:
Honda Elite 125: compacto e honesto para o uso urbano
Conheça o Fluo ABS, novo scooter de 125 cm³ da Yamaha
Aprilia SXR 160 chega ao Brasil mirando Cruisym, NMax e PCX

A função Idling Stop permanece. Trata-se de um sistema inteligente, econômico e que reduz as emissões desligando o motor quando a moto para mais de três segundos. Porém, ela é religada automaticamente assim que o piloto encosta no acelerador.

Motor e dimensões do PCX

O PCX tem motor de comando simples (OHC), monocilíndrico, de 4 tempos, arrefecido a líquido, com 149,3 cm³. A potência máxima chega a 13,2 cv a 8.500 rpm, enquanto o torque máximo é de 1,38 kgf.m a 5.000 rpm. A transmissão é automática, do tipo V-Matic e o conjunto motriz é bastante econômico, podendo chegar a mais de 35 km/l, dependendo do peso de sua mão.

As dimensões de comprimento, largura e altura são respectivamente 1.923 x 745 x 1.107 mm. A distância entre-eixos é de 1.313 mm, e a mínima do solo 137 mm. Do banco ao chão são apenas 764 mm, medida que facilita a vida do condutor. 

Honda PCX em movimento

A agilidade neste tipo de motocicleta é o ponto forte para quem a utiliza diariamente, o ziguezaguear no tráfego apertado é favorecido pelas dimensões compactas e pela facilidade de manobrar o PCX.

Contudo, o péssimo pavimento de nossas ruas, ao menos aqui em São Paulo, fazem parecer que os 100 mm do curso de suas suspensões são pouco, porque o guidão passa uma boa dose de trepidação vinda das rodas, e a suspensão traseira sofre pancadas secas diretamente em suas vértebras quando enfrenta obstáculos inesperados. É verdade que a suspensão traseira melhorou na última atualização do PCX, mas ainda e um tanto rústica na buraqueira urbana.

O sistema de freio conta com discos de 220 mm na frente e atrás e são assistidos por ABS. As respostas são rápidas e têm bom tato no acionamento. O ABS tem funcionamento bastante eficaz, colaborando com o equilíbrio e melhor controle da moto. As rodas de 14 polegadas permitem rodar com mais tranquilidade pelo asfalto ruim e vencem a buraqueira com mais segurança. 

Os pneus Pirelli Diablo Scooter têm perfil esportivo e garantem boa dose de inclinação com muita aderência e segurança; suas medidas são de 100/80-14 na dianteira e 120/7014 atrás.

Mercado

O Honda PCX é o scooter mais vendido do Brasil. Ano passado ele somou com 28.135 unidades emplacadas, contra 19.956 do seu principal concorrente, o Yamaha NMax 160 ABS, segundo informações da Fenabrave, a entidade que representa os distribuidores de veículos no Brasil. Outros modelos que ainda podem beliscar um filão do nicho em que estes dois atuam são Dafra Cruisym 150 e Aprilia SXR 160.

Conclusão

O scooter Honda PCX DLX ABS é perfeito para quem busca praticidade para fugir dos congestionamentos das grandes cidades, a bordo de uma moto segura, econômica e confortável. Para ir ao trabalho ou realizar tarefas corriqueiras, ele fornece agilidade e muita diversão na hora de pilotar. Pelos recursos tecnológicos que o veículo oferece, o preço pode ser considerado justo.

E caso a pedida na faixa de R$ 16.250 esteja fora de seu orçamento, você ainda pode considerar o PCX CBS, disponível com sistema de freios combinados e com preço sugerido partindo de R$ 14.690, valor que também não inclui despesas com frete.

Acompanhe a MOTOCICLISMO também pelas mídias sociais!
– Instagram – Facebook – YouTube – Twitter

Se você é um amante dos scooter, o PCX certamente é um modelo para se conhecer e considerar. Além disso, ele conta com três anos de garantia de fábrica para todas as suas versões, e sem limite de quilometragem.

Conteúdo Recomendado

Comentários