Card image
Testes
Honda CG 2022 celebra 45 anos e está melhor do que nunca

5 Minutos de leitura

  • Publicado: 25/08/2021
  • Por: Alexandre Nogueira

A Honda CG surgiu em 1976 e desde então é o maior ícone de vendas de veículos motorizados do país com mais de 13.5000.000 unidades vendidas.

Para celebrar este importante marco histórico, a Honda organizou um evento comemorativo dos 45 anos de vida desse best-seller que se mantém em plena forma. Das 629.937 motos vendidas no país de janeiro a julho deste ano, 170.314 foram CG, ou seja, 27% das vendas de motos no país. Para 2022, a nona geração da CG mantém as quatro versões, e as mudanças são apenas no visual.

Veja também:
MOTOCICLISMO e #ElasPilotam, parceria que promete!
Nova Honda CB 200X pode chegar ao Brasil em 2022
Triumph confirma desenvolvimento da Tiger Sport 660

A CG 160 Start é a mais simples, apresenta um novo design na moldura do painel de instrumentos e na carenagem frontal, e as opções de cores são prata metálico, vermelha ou preta, e tem preço sugerido de R$ 10.520. As CG 160 Fan e CG 160 Cargo também receberam nova moldura de painel e carenagem de farol, bem como laterais do tanque redesenhadas. A Fan pode ser nas cores azul perolizada, vermelha ou preta, com preço sugerido de R$ 11.760, e a Cargo, versão voltada para o trabalho que já vem equipada com um bagageiro capaz de suportar até 20 kg, continua apenas na cor branca e tem preço sugerido de R$ 11.900.

A CG 160 Titan é a topo de linha e mais sofisticada, ganhou moldura do painel, carenagem de farol e laterais do tanque novas e exclusivas da versão, com desenho mais esportivo. A rabeta ganha laterais redesenhadas e mais encorpadas. A nova CG 160 Titan chega nas cores cinza metálica, vermelha perolizada e a exclusiva amarela perolizada, e tem preço sugerido de R$ 13.040.

A Honda CG é a moto de baixa cilindrada mais usada, não só para as mais diversas atividades, como também para o mais diversificado público, seja para trabalho, lazer, mobilidade com economia ou viagens, a pequena polivalente encara qualquer solicitação sem medo. Muitos motociclistas ainda escolhem um scooter ou outros modelos mais baratos e tecnicamente inferiores por acharem que a CG é uma moto exclusivamente para trabalho, mas a qualidade e competência do conjunto merece uma reavaliação de conceitos, e você pode se surpreender.

É uma moto leve, ágil e fácil de pilotar, principalmente para enfrentar o trânsito caótico entre os carros e corredores, talvez, sua principal vocação. Na minha opinião, sua principal vocação é a praticidade, uma moto fácil para o dia a dia, e muito econômica, não só no consumo, mas também na manutenção corretiva. E a manutenção preventiva, como a regulagem e lubrificação da corrente de transmissão, de cabos de embreagem, de freio e de articulações, calibragem de pneus e limpeza do filtro de ar, pode ser feita com facilidade pelo próprio piloto da moto.

A mecânica não mudou e continua a mesma para todas as versões. O motor é o consagrado monocilíndrico com duas válvulas no cabeçote, refrigeração a ar, injeção eletrônica e 162,7 cm³ de capacidade cúbica. Na Honda CG versão Start, só trabalha com gasolina. Nas versões Fan e Titan, é flex. Rende potência máxima de 15,1 cv com etanol ou 14,9 cv com gasolina a 8.000 rpm, e torque de 1,5 kgf.m com etanol ou 1,4 kgf.m com gasolina, a 7.000 rpm. O câmbio de cinco marchas tem escalonamento perfeito e aproveita muito bem o torque disponível, o que foi comprovado com o teste de garupa, e a brava CG 160 Titan se apresentou sem o menor temor.

A suspensão dianteira tipo Separated Function Fork (SFF), presente nas CG desde 2018, usa mola em uma das bengalas e amortecimento hidráulico na outra. Atrás, vai um par de amortecedores de dupla ação com cinco regulagens na carga da mola. As suspensões garantem perfeito equilíbrio entre performance e conforto e proporcionam uma tocada divertida e segura. A ergonomia é correta e mantém o piloto numa posição natural e confortável graças à boa anatomia do banco. O painel LCD invertido tem ótima visualização, mas peca por ainda não contar com indicador de marcha engatada.

Todas continuam sem opção de ABS e mantém apenas o sistema de freios combinados CBS – quando o piloto aciona somente o dianteiro, parte dessa força aciona também o freio traseiro. Na versão Start, os dois freios são a tambor. Nas outras, há disco na roda dianteira.

Outra diferença entre a versão básica e as outras está nas rodas, que são raiadas na Start e de liga leve com cinco raios duplos nas outras. Todas usam o mesmo pneu 80/100 R18 na frente, mas atrás a medida é de 90/90 R18 para Cargo, Start e Fan, e 100/80 R18 para a Titan. Curiosamente o tanque de combustível é menor na topo de linha – 14,6 litros com 3,1 de reserva contra 16,1 litros e 3,2 de reserva nas outras.

Dentro de suas limitações, a família CG tem desempenho mais que satisfatório e atende com muita competência quaisquer solicitações. Essa CG 160 Titan 2022 que testamos tem um ar de sofisticação que a torna muito elegante também para passeios mais glamorosos, tem uma presença muito legal e não faz feio perante outras motos.

Acompanhe a MOTOCICLISMO também pelas mídias sociais!
– 
Instagram – Facebook – YouTube – Twitter

A família CG 160 2022 chega ainda melhor para manter seu reinado por muito mais tempo. Todas as versões têm garantia de três anos, sem limite de quilometragem, com de sete trocas de óleo gratuitas.

Conteúdo Recomendado

Comentários