Card image
Testes
Honda Biz 110i, praticidade e maior desempenho

5 Minutos de leitura

  • Publicado: 22/02/2016
  • Por: admin

<p><span style="line-height: 1.6em;">Além de ser a empresa que mais vende motos no Brasil, a <strong><a href="http://www.honda.com.br/"><span style="color:#FF0000;">Honda</span></a></strong> conseguiu encerrar o uso do carburador nos seus motores. Hoje, quem quer comprar uma Honda nova, vai adquirir um modelo com injeção eletrônica. E isso significa maior eficiência, economia de combustível e consequentemente, economia de dinheiro!</span></p>

<p><img alt="Honda Biz 110i, novidade para o segmento cub" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/honda_biz_110i_2016_motociclismo_4_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p>Uma das novidades desta fase é a <strong>Biz 110i</strong>, cub que sucede a carburada Biz 100. Visualmente, pouco mudou pois ela já trazia linhas atuais e com ótimo acabamento, porém, funcionalmente, a Honda conseguiu uma considerável evolução.</p>

<p>O grande destaque é o <strong>novo motor</strong>, de 109,1 cm³, arrefecido a ar e alimentado por <strong>injeção eletrõnica</strong>. O sistema é o mesmo que equipa <strong><a href="http://www.motorpress.com.br/moto/testes/testes-testes/conheca-as-novas-honda-cg-160-e-a-pop-110i"><span style="color:#FF0000;">a Pop 110i</span></a></strong>, mais simples, com menos sensores, porém, ainda assim, muito eficiente, sinal de que a engenharia da Honda acertou a mão no projeto. </p>

<p><img alt="O novo motor com injeção eletrônica é o grande destaque da Biz 110i" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/honda_biz_110i_2016_motociclismo_12_620x467.jpg" style="margin: 0px auto; display: block; width: 620px; height: 467px;" /></p>

<p>Para quem pensa que ‘falta tempero’ nos populares scooter, a Biz 110i é um ‘meio-termo’ bem interessante entre scooter e moto. A Biz é confortável, prática e fácil de ser pilotada como o scooter, mas, com câmbio semi-automático de quatro velocidades e transmissão final por corrente, oferece respostas mais rápidas que o scooter e sua ‘preguiçosa’ transmissão continuamente variável (CVT). A posição de pilotagem permite que pilotos de diferentes estaturas se sintam ‘em casa’ pilotando ela.</p>

<p>O motor da Biz 110i rende 8,3 cv de potência máxima a 7.250 rpm, com torque de 0.89 kgf.m a 5.500 rpm e permite andar, sem forçar, à 90 km/h, uma boa marca. O limite de velocidade da cub é de 120 km /h no painel, marca raramente atingida em rodovia, onde os úteis pesos nos extremos do guidão <strong>ajudam muito</strong> a manter a estabilidade da cub.</p>

<p><img alt="Como toda cub, a Biz 110i não tem alavanca de embreagem (o câmbio é semi automático) e o peso de guidão ajuda na estabilidade em alta velocidade" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/honda_biz_110i_2016_motociclismo_8_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p>Mas, como <strong>sua proposta é ser usada na cidade no dia a dia</strong>, ela sobra em desempenho. Obviamente, com 110 cm³, ela <strong>não tem retomadas como uma CG 160</strong>, mas, rapidamente você se acostuma com o motor e consegue andar bem com ela, independente da velocidade da via e do trânsito local.</p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Rodando em trechos urbanos e de estradas, sem garupa, o consumo foi de 41,07 km/l, uma ótima marca, que com a gasolina comum — lembrando que <strong>este motor não é flex</strong> — por  R$ 3,499 o litro, dá <strong>R$ 0,085 por km rodado</strong>. Faça as contas da distância que percorre por dia ou semana e veja a economia no seu orcamento! Nesta média de consumo, com R$ 85 seria possível percorrer 1000 quilômetros.</span></p>

<p><img alt="No harmonioso painel, apenas o necessário. Quando o ponteiro do combustível atinge a marca vermelha, restam cerca de 1,4 litros" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/honda_biz_110i_2016_motociclismo_9_620x467.jpg" style="margin: 0px auto; display: block; width: 620px; height: 467px;" /></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Apenas como comparação de custo, uma <strong><a href="http://www.motorpress.com.br/moto/noticias/testes-testes/kawasaki-z300-prova-que-tamanho-nao-e-documento"><span style="color:#FF0000;">Kawasaki Z300</span></a></strong> no mesmo percurso, rendeu 16,47 km/l, que com o mesmo valor do litro da gasolina dá uma marca de R$ 0,212 por km rodado. Ou seja, gasta 2,5 vezes mais para percorrer a mesma distância. <strong>Para quem prioriza economia</strong>, os números da Biz 110i são bem atrativos.</span></p>

<p>Em dias de chuva principalmente, uma grande ajuda é o excelente porta-capacete — ou mochila, ou o que você quiser colocar que caiba — sob o assento. Ele aumentou de capacidade e comporta um capacete fechado grande, virado para cima, sem dificuldade. Diferencial muito útil, que a rival Yamaha Crypton 115 peca por não oferecer.</p>

<p><img alt="Sob o assento, o prático porta-capacete e o acesso ao tanque de 5,1 litros" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/honda_biz_110i_2016_motociclismo_18_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p>Falando em Crypton, com a inovação, agora a Honda rivaliza com a cub da Yamha com dois modelos, a Biz 125 e a Biz 110i. A Yamaha precisa atualizar sua cub logo, se quiser — apesar do preço mais acessível — continuar vendendo, pois as rivais estão cada dia melhores e o consumidor, mais exigente.</p>

<p>As suspensões, <strong>como em toda cub</strong>, são muito macias e se entrar em trechos com pavimento ruim de centros urbanos como a capital paulista, é necessário cuidado, para não tornar sua cub em um ‘pula-pula’ motorizado. São 100 mm de curso na dianteira e 86 mm na traseira. Algo que poderia ajudar a evitar isso seria adotar <strong>amortecedores traseiros com ajuste de pré-carga</strong>, que tornariam o modelo muito mais funcional.</p>

<p><img alt="A transmissão semi automática, por corrente, garante melhores respostas. Nos amortecedores, o ajuste de pré-carga seria bem vindo" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/honda_biz_110i_2016_motociclismo_14_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p>Vai levar um passageiro? Vá devagar na hora de acelerar, porque o fim de curso dos amortecedores traseiros poderá ser uma constante, lembrando que a capacidade máxima de carga é de 160 kg e sem passageiro, todo equipado e com uma mochila, somava 105 kg sobre a cub.</p>

<p><img alt="Freio a tambor de 130 mm na dianteira da Biz 110i" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/honda_biz_110i_2016_motociclismo_11_620x467.jpg" style="margin: 0px auto; display: block; width: 620px; height: 467px;" /></p>

<p>O freio nas duas rodas é a tambor. Na traseira atende muito bem — somado aos eficientes pneus Pirelli Mandrake, que impressionaram pela segurança na chuva —  porém, na dianteira, não passa a confiança que queremos ter para frear em qualquer emergência ao adquirir um produto de mais de R$ 7 000 (sim, o preço está alto). <strong>O freio não tem a modulação do sistema com disco que equipa a  Biz 125</strong> e compromete parte do prazer de pilotar esta pequena notável. <span style="line-height: 1.6em;">A Honda poderia disponiblizar o freio a disco da dianteira como versão, pelo menos. A ausência do eficiente freio a </span><span style="line-height: 1.6em;">disco é o ponto negativo da Biz 110i. </span></p>

<p><img alt="A traseira tem linhas atuais e a iluminação é eficiente" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/honda_biz_110i_2016_motociclismo_16_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p>Em versão única e em duas cores: preta ou vermelha, com preço público sugerido de R$ 7.090,00 — 24% mais acessível que a Biz 125 EX. <strong>O valor tem como base o Estado de São Paulo, sem despesas com frete ou seguro</strong> (pesquise na concessionária mais próxima o preço final, que varia dependendo da sua cidade). A garantia é de três anos sem limite de quilometragem.</p>

<p><img alt="A agilidade e facilidade de pilotar a Biz 110i tornam o ir e vir mais tranquilo" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/honda_biz_110i_2016_motociclismo_2_620x467.jpg" style="margin: 0px auto; display: block; width: 620px; height: 467px;" /></p>

<p><strong>Conclusão</strong><br />
Com mecânica praticamente indestrutível, a Biz 110i é a cub quase perfeita. Graças ao novo motor e principalmente à adoção da injeção eletrônica, tem ótimo desempenho e agilidade para uso urbano e até para encarar descolamentos curtos por estradas entre cidades, rotina de milhares de pessoas todos os dias. Com a evolução, ela ficou mais segura, econômica e com maior desempenho que a antecessora Biz 100, tornando o ir e vir ainda melhor.</p>

<p>Para quem quer fugir do deficiente transporte público e entrar no mundo das duas rodas, é uma opção a considerar. Seria a cub perfeita se tivesse freio à disco na dianteira e <strong>se o preço final na concessionária ficasse nos R$ 7 090 declarados</strong> como preço sugerido. </p>

Conteúdo Recomendado

Comentários