Card image
Testes
Harley-Davidson Low Rider S, inspiração no passado

5 Minutos de leitura

  • Publicado: 18/11/2020
  • Por: Willian Teixeira

Com estilo californiano da década de 1980, a Low Rider S revive a época em que a Harley-Davidson colocou uma moto de alto desempenho em sua linha, a XLCR de 1977.

Texto: Ismael Baubeta
Fotos: Gustavo Epifânio / Divulgação

Embora a Harley-Davidson do Brasil tenha apresentado a Low Rider S juntamente com a linha touring, a qual recebeu uma boa quantidade de melhorias tecnológicas, ela é a única moto inédita entre as presentes no lançamento da linha 2020 da marca norte-americana. Ela foi a protagonista com seu estilo agressivo tipo californiano da década de 1980, mas com o atualíssimo motor Milwaukee-Eight de 114 polegadas cúbicas e torque abundante.

Posição: repare a posição dos joelhos acima da altura do quadril, rodar muitos quilômetros se torna cansativo

A Low Rider S é nitidamente baseada nos modelos low rider do sul da Califórnia, uma espécie de motocicleta malvada, baixa, longa, cheia de atitude. O objetivo foi criar uma versão contemporânea da primeira motocicleta HD de performance, a XLCR de 1977. Tem apelo moderno, proveniente do alto desempenho de um motor capaz de empurrar muito forte, com seus 16,4 kgf.m de torque, e do esquema de cores das rodas bronze fosco contrastando com a tinta preta brilhante, os acabamentos em vários tons de preto fosco e o agressivo filtro de ar esportivo.

A Low Rider S é uma Softail e, como toda a linha, teve o chassi otimizado para reduzir o peso e aumentar a agilidade, mantendo o visual clássico de uma legítima rabo-duro, só que em vez disso ela tem um monoamortecedor com ajuste na pré-carga da mola escondido sob o banco. Na dianteira um garfo invertido Showa de 43 mm copia bem o asfalto, e o conjunto permite boa dose de emoção em uma tocada mais esportiva.

Parada

O sistema de freio é composto por discos de 300 mm na roda dianteira e outro de mesmo tamanho atrás, ambos têm bom tato, pegam firme e não exigem muita força no manete para segurar seus 308 quilos. O ABS é de série e tem funcionamento correto.As rodas de liga leve são de 19 polegadas na frente e de 16 atrás, vestem os pneus Michelin Scorcher, exclusivos para a Harley-Davidson, e garantem bom grip tanto contornando curvas como nas frenagens, suas medidas são 110/90-19 e 180/70-16, respectivamente.

O contraponto na dirigibilidade da moto é a ergonomia, embora o banco seja baixo, são 690 mm até o solo, a posição para pilotar é um pouco forçada para a dianteira, com o guidão muito afastado do corpo e pernas levemente elevadas em relação ao quadril. Veja, para meu 1,8 metro as manobras que exigem esterço completo foram dificultadas por conta da distância do guidão, exigindo um certo contorcionismo para esterçá-lo totalmente, além da força necessária para virar o conjunto do eixo dianteiro. O corpo meio arqueado, inclinado para a frente, não é a melhor posição para rodar muitos quilômetros. A Low Rider S tem a frente pesada e, por isso exige mais esforço para colocá-la nas curvas, mas, uma vez inclinada, as curvas se tornam prazerosas, e chegar a raspar as pedaleiras é bem natural.

Acompanhe a MOTOCICLISMO também pelas redes sociais!
– Instagram – Facebook – YouTube – Twitter

Motorzão

O poderoso e divertido motor de dois cilindros em V e 1.868 cm³, é o Milwaukee-Eight 114, ele foi montado diretamente no chassi, contribuindo para uma estrutura mais rígida, melhorando o desempenho na dirigibilidade e capacidade de frenagem da moto, no entanto, apesar dos dois balanceiros internos no virabrequim, ela passa um pouco de sua vibração para o corpo e os braços do condutor.

Realce: o preto, apesar de ser básico, ganhou destaque com a combinação do cobre

As características desse motor são viciantes porque ele oferece uma mistura única de força e suavidade, não é preciso muito movimento do punho direito para sentir sua patada, os impressionantes 16 quilos de empuxo máximo do virabrequim são totalmente transferidos (pela correia dentada) para a roda a baixas 3.000 rpm, basta ouvir seu ronco para sentir-se estimulado a acelerar e tentar enrugar o asfalto. Quebrando as próprias regras, a HD finalmente publicou os números de potência no virabrequim deste motor de quase dois litros, são 93 cv, mas, quer saber? No caso destes motores Milwaukee-Eight de 114 polegadas o que mais impressiona é o poderoso torque logo que você encosta no acelerador da moto.

Estilo anos 1970

O design e o espírito Low Rider têm carisma como as motos americanas tinham nos anos 1970. A pequena carenagem no farol, o tanque de combustível Softail (com dois mostradores na parte central superior) de 19 litros pintado com o logo da marca americana e a lanterna traseira em LED de lente fumê valorizam a moto, mas os R$ 90.500 são um tanto exagerados.

Apesar de bonita, a cor prata não faz tanto contraste com o bronze como o preto

DADOS DE FÁBRICA
Motor: Bicilíndrico em V, arrefecido a líquido | DOHC | 8 válvulas | câmbio de 6 velocidades
Cilindrada: 1.868 cm³
Potência máxima: 93 cv a 5.020 rpm
Torque máximo: 16,4 kgf.m a 3.000 rpm
Diâmetro x curso do pistão: 102 mm x 114 mm
Taxa de compressão: 10,5:1
Quadro: Berço duplo em aço
Cáster: 28°
Trail: 145 mm
Suspensão dianteira: Garfo telescópico invertido de 43 mm de diâmetro
Suspensão traseira: Monoamortecida com ajuste de pré-carga de mola
Freio dianteiro: Disco duplo de 300 mm, pinça de 4 pistões (ABS)
Freio traseiro: Disco de 292 mm, pinça de 2 pistões (ABS)
Modelo do pneu: Michelin Scorcher
Roda dianteira: 110/90 -19
Roda traseira: 180/70 – 16

MEDIDAS
Comprimento: 2.355 mm
Largura: n.d.
Altura do assento: 690 mm
Entre-eixos: 1.615 mm
Tanque: 19 litros
Peso cheio: 308 kg

PREÇO
R$ 90.500

Design: estilo de sobra para se mostrar com a Harley-Davidson Low Rider S

Teste publicado originalmente na edição 270 da revista MOTOCICLISMO