Card image
Testes
Harley-Davidson Fat Bob 2021: poder e estilo icônicos

4 Minutos de leitura

  • Publicado: 20/02/2021
  • Por: Alexandre Nogueira

A Harley-Davidson Fat Bob é um dos modelos mais icônicos e representativos da marca americana e chega em versão 2021 com novas cores para compor um visual que transmite ainda mais poder e estilo.

Entre os motociclistas mais saudosistas, a Harley-Davidson é um sinônimo para “motocicleta” e ao contrário do que muitos pensam, a mais tradicional marca americana de motocicletas reconhece a necessidade de se modernizar, afinal, o motor V-Twin americano está em sincronia com o estilo de vida dos legítimos motociclistas dos tempos da brilhantina.

Harley-Davidson Fat Bob: visual mistura de de cruiser e roadster (Renato Durães)

Veja também:
H-D Heritage Classic é a Moto de Ouro entre as Clássicas
Bimota mostra Tesi H2 Carbon Edition em março
MOTOCICLISMO 278: confira os destaques desta edição

Então a Harley-Davidson modernizou a linha softail modestamente, adotando um monoamortecedor central no lugar dos dois amortecedores horizontais embaixo da moto, projeto que era usado desde meados do século passado. São oito modelos da linha softail e os nomes são bem familiares: Heritage Classic, Breakout, Street Bob, Fat Boy, Fat Bob, De Luxe, Slim e Low Rider.

Harley-Davidson Fat Bob: boa ergonomia, mas cansativa para enfrentar as ruas
(Renato Durães)

A Harley-Davidson Fat Bob 114 é provavelmente o que os motociclistas mais jovens esperam de uma moto moderna, com pneus largos, garfo invertido, guidão amplo e reto, nada de cromados e o legítimo motor V-Twin no meio disso tudo.

Harley-Davidson Fat Bob: ela se destaca por onde passa (Renato Durães)

Esta nova Harley-Davidson Fat Bob utiliza o novo motor Milwaukee-Eight 114, um V-Twin a 45° com 1.868 cm³, capaz de entregar 16 kgf.m de torque em baixas 3.250 rpm, o que torna as respostas imediatas ao menor toque do acelerador, fazendo com que o monstro de 306 kg ganhe velocidade rapidamente e faça ultrapassagens na estrada com facilidade sem a necessidade de reduções de marcha.

Harley-Davidson Fat Bob: motor 114 entrega 16 kgf.m de torque (Renato Durães)

Este novo motor tem quatro válvulas por cilindro e utiliza duas velas de ignição por cilindro, proporcionando maior eficiência na queima da mistura e garantindo menor índice de emissões para ser enquadrado nas normas Euro 4 sem comprometer a potência, mantendo o clássico som do escapamento da Harley-Davidson com o sistema 2x1x2.

Harley-Davidson Fat Bob: escapamento 2x1x2 (Renato Durães)

O motor vai ancorado em um novo chassi de aço significativamente mais rígido e leve, com um garfo invertido de 43 mm na dianteira em perfeito equilíbrio com o novo monoamortecedor com regulagem na pré carga da mola, o que melhorou bastante a agilidade e a estabilidade em alta velocidade, bem como o conforto, afinal o monoamortecedor traseiro tem funcionamento com muito mais progressividade que o antigo par horizontal de funcionamento invertido e de menor eficiência. Mesmo assim cobra um pouco das costas sobre pavimento ruim, transmitindo as pancadas da roda traseira para as costas do piloto, mas pegue uma autoestrada e você vai se sentir no trono de um rei.

Harley-Davidson Fat Bob: linha softail tem melhor estabilidade (Renato Durães)

O sistema de freios conta com duplo disco dianteiro e disco simples traseiro, mordidos por pinças de quatro pistões com auxílio ABS, e se mostraram bastante competentes para segurar os 306 kg declarados da Fat Bob. As alavancas de freio e embreagem volumosas parecem um pouco desajeitadas, mas a questão é que quanto mais você rodar com sua máquina, mais você vai se familiarizando e se acostumando com suas características peculiares. A embreagem não é exatamente um peso pena, é preciso força para acioná-la e o câmbio, apesar de mais preciso, continua dando aquela martelada característica da marca americana quando se engata a primeira marcha para arrancar.

Harley-Davidson Fat Bob: freios com ABS garantem frenagens fortes (Renato Durães)

Não há opções eletrônicas como modos de pilotagem e controle de tração e o novo farol em led Daybreaker é dolorosamente brilhante e dá uma personalidade única à Fat Bob. A Fat Bob e as demais softail têm uma tomada USB na dianteira para recarregar telefones ou periféricos eletrônicos como um GPS por exemplo.

Harley-Davidson Fat Bob: farol garante a forte personalidade do modelo (Renato Durães)

A Harley-Davidson Fat Bob é realmente um grande passo da marca americana para conquistar novos e mais jovens motociclistas, pois tem uma ergonomia e um funcionamento um pouco mais adequado para as ruas, com sua mistura de cruiser e roadster é capaz de concorrer com Ducati Diavel ou Triumph Rocket 3.

Harley-Davidson Fat Bob: painel simples e essencial (Renato Durães)

Toda essa exclusividade e capricho no acabamento tem que ser somado à alta taxa de câmbio, já que os componentes importados predominam na motocicleta, não à toa ela custa hoje, pesados R$ 91.500.
Como bem disse um amigo apaixonado pela marca, a nova Fat Bob é uma sobrevivente pós apocalíptica,. E você, o que acha?

Acompanhe a MOTOCICLISMO também pelas redes sociais!
– Instagram – Facebook – YouTube – Twitter

Conteúdo Recomendado

Comentários