Card image
Testes
Forty-Eight, a Harley-Davidson urbana

4 Minutos de leitura

  • Publicado: 10/10/2014
  • Por: admin

<p><span style="line-height: 1.6em;">Ao montar pela primeira vez em uma Forty-Eight, você logo percebe que está subindo em uma Harley-Davidson modelo Sportster, seja pelo baixo banco solo afastado do guidão com um tanque em formato de amendoim no meio, seja pelo belo motor Evolution de 1 200 cm³ que brota do quadro, chegando a poucos centímetros das pernas do piloto. O seu nome, Forty-Eight, remete ao primeiro modelo com tanque amendoim lançado pela Harley-Davidson em 1948, e que inspirou esta moto mais de sessenta anos depois.</span></p>

<p><img alt="Harley-Davidson Forty-Eigth" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/mun_4896_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p>Se você é conhecedor e apreciador das motos da Harley, não há muito a dizer sobre as suas peculiaridades, provavelmente você vai adorar a Forty-Eight e todas as suas características, agora, se você nunca teve muito contato com a marca americana, é importante saber onde está montando.</p>

<p>É uma Harley-Davidson, que apesar da sua evolução, carrega todo um legado mecânico e de design através das décadas. Também tenha em mente que é uma moto urbana. Até pela sua autonomia, não é uma estradeira, e a postura também não privilegia grandes jornadas, vale dizer também que o modelo Sportster foi projetado e largamente utilizado em competições de velocidade há várias décadas atrás, logo, sua ergonomia não é apropriada para horas de estrada.</p>

<p>Agilidade, torque e design são os principais destaques. O visual é um dos pontos altíssimos, gosto de dizer que o modelo Sportster valoriza o motociclista, o conjunto da obra moto+piloto é bonito e harmônico. A Forty-Eight, quanto ao quesito design, é uma 883 customizada de fábrica que carrega um extremo bom gosto na escolha de peças e acessórios.</p>

<p>O banco solo, a <span style="line-height: 1.6em;">71 cm de altura (sem o piloto), combina com a baixa estatura da moto, enquanto as rodas raiadas que ornam um largo pneu Michelin Scorcher dianteiro montado em um aro preto saltam aos olhos. Os retrovisores invertidos também dão um charme especial à moto. Pena que, por uma questão de homologação no Brasil, a placa lateral e o escape dos modelos comercializados em outros países foram vetados e ficaram de fora em “terra brasilis”. </span></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Assim como o retrovisor, o saliente compartimento do filtro de ar do lado direito, por vezes, incomoda, mas não compromete. Com o tempo, vira “paisagem”, e, por incrível que possa parecer, apesar do motor ficar próximo do corpo, o calor dissipado por ele não chega a atrapalhar.</span></p>

<p><img alt="Harley-Davidson Forty-Eigth" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/mun_5084_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p>O emblemático motorzão Evolution, também conhecido como Blockhead, cujo projeto data de 1984, “sobra” nesta Sportster. Há torque abundante e as retomadas e as acelerações são rápidas e conferem grande segurança. A transmissão secundária por correia deixa a condução suave, enquanto a sua ciclística mostra-se bem equilibrada.</p>

<p>Como a moto é baixa (apenas 10 cm em relação ao solo), relativamente leve (255 kg em ordem de marcha) e com uma distância entre-eixo curta (1 520 mm), seu corpo esbelto privilegia a mobilidade no trânsito, não ficando para trás dos pequenos motociclos que povoam as congestionadas vias urbanas das grandes cidades. Outros quesitos tecnológicos, que seriam tratados como improváveis para uma Harley-Davidson poucos anos atrás são bem-vindos e acertadamente equipam a moto. <span style="line-height: 1.6em;">Podemos destacar o ABS de série, com disco dianteiro de 300 mm e o H-D Smart Security System, eliminando chaves para a ignição. Carregando o transponder, você monta e liga a moto sem maiores preocupações. E mesmo sem o transponder é possível ligá-la inserindo um código de segurança no painel. </span></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">O conjunto ótico também é bem projetado, harmonizando-se muito bem com a traseira minimalista que agrega luzes de freio, lanterna e pisca-pisca e um único dispositivo. Os retrovisores virados para baixo, requerem um certo treino visual do piloto, no início parece estranho e difícil, mas é apenas questão de costume e um bom ajuste.</span></p>

<p><img alt="Harley-Davidson Forty-Eight" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/mun_4618_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p>O câmbio, produz aquela pancadona ao engatar a primeira, e marinheiros de primeira Harley chegam a olhar para ver se a caixa de câmbio não caiu no chão. Apesar de ser um tanto espartano, o câmbio possui boa relação nas cinco marchas, tanto para trechos urbanos, como para passeios nas estradas. Falando em estradas, a Forty-Eight não nega fogo nessas situações.</p>

<p>Em altas velocidades a moto se comporta bem e transmite segurança ao piloto. Retomadas são excelentes, e às vezes ela parece querer sair de baixo da montaria. Por ter um potente motor para suas dimensões e peso, a motocicleta é tolerante a erros de possíveis marchas mal selecionadas.</p>

<p>“Design sobre funcionalidade”, isso é o que podemos dizer do tanque de combustível. Seus quase 8 litros propiciam um belo visual, porém, também frequentes visitas ao posto de gasolina de sua preferência. A Harley também acertou nas cores dos tanques (sim, somente os tanques são pintados de cores específicas) e grafismos, que embora tenham nomes sofisticados demais, são atraentes e combinam com o modelo. </p>

<p>Além da básica Vivid Black (preta), ela pode ser adquirida em Morocco Gold Pearl (bege claro) e Blackened Cayenne Sunglo (vinho) por R$ 38 000. Agora, se você quiser uma cor exclusiva, chamada Hard Candy Custom que remete a motocicletas dos anos 1970, ela pode ser adquirida em dois tons diferentes, por R$ 38 900, nas cores “Volcanic Orange Flake” (laranja) e Chrome Flake (preta). </p>

<p>A fábrica estadunidense acertou com a “48”. Se trata de uma leitura da Harley-Davidson para uma moto urbana, potente e com fortes notas esportivas. Mas é preciso entendê-la para não se decepcionar. Se você procura uma moto mais confortável e versátil, vá para um outro modelo, dentro ou fora da família Harley-Davidson.</p>

<p><img alt="Harley-Davidson Forty-Eight" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/mun_4955_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p><strong>Conclusão (por Roberto Severo)</strong></p>

<p>A beleza e o estilo da Forty-Eight são de corroer a alma de quem recém comprou uma Sportster 883, até mesmo o belo modelo Iron. Digo isso com conhecimento de causa, sem falar da diferença de resposta do motor 1200 em comparação ao da 883. Se você procura uma moto estilosa e com motorzão para rodar basicamente em trechos urbanos, vale muito a pena fazer um test-drive. Garupa? Mude de moto! Não mude de banco! A Forty-Eight vai ficar descaracterizada. Gosta de para-brisas, baús, alforges (alguns poucos combinam), encosto? É muito simples: esqueça!</p>

Conteúdo Recomendado

Comentários