Card image
Testes
Duelo scooter: Yamaha NMax enfrenta o Honda PCX

6 Minutos de leitura

  • Publicado: 14/09/2016
  • Por: admin

<p>O <strong>Honda PCX</strong> não está mais ‘sozinho’ no segmento scooter de baixa cilindrada. Com o scooter <strong>Yamaha NMax 160</strong>, a líder da categoria encontrou um concorrente forte.</p>

<p><img alt="Yamaha NMax e Honda PCX, na versão DLX, com rodas douradas" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/honda_pcx_yamaha_nmax_scooter_motociclismo_foto_renato_duraes_19_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p><strong>Como lançar um scooter melhor que o Honda PCX?</strong> Tarefa quase impossível, pois o PCX está em plena ascensão, entrando cada vez mais no gosto dos brasileiros. Vende cerca de 2 000 unidades por mês, recebeu melhorias, ficando mais bonito e prático.</p>

<p>Em outros mercados, como e europeu e o asiático, vende muito, chegando a liderar a comercialização de motocicletas. Suas qualidades superam a versatilidade de um scooter padrão, pois além da estética agradável, é econômico, tem bom desempenho e traz tecnologia, como o sistema <strong>Idling Stop</strong>, recurso que desliga o motor quando paramos, após alguns segundos, e o liga novamente apenas com o movimento do acelerador.</p>

<p><img alt="Painel do Honda PCX" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/honda_pcx_yamaha_nmax_scooter_motociclismo_foto_renato_duraes_2_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p>A nova geração do PCX ganhou mais capacidade no tanque (oito litros) e tomada USB no porta luvas. Definitivamente um produto a prova de críticas. A Yamaha tinha obrigação de fazer alguma coisa. E fez. <span style="line-height: 1.6em;">Lançou no mercado brasileiro o NMax 160, q</span><span style="line-height: 1.6em;">ue tem ‘armas’ suficientes para brigar em pé de igualdade com o PCX – sem esquecermos do<a href="http://www.motorpress.com.br/moto/especiais/especiais/conheca-o-scooter-neo-125-agente-duplo-da-yamaha/"><strong> recém-lançado Yamaha Neo 125</strong></a>, que também pretende conquistar parte dos interessados no scooter moderninho da Honda.</span></p>

<p><img alt="Painel do Yamaha NMax" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/honda_pcx_yamaha_nmax_scooter_motociclismo_foto_renato_duraes_11_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">O NMax é um filho legítimo da família de scooters Max da Yamaha. O grande TMax 530, por exemplo, é um raro scooter que pilotamos como uma moto. Sua configuração de chassi, com quadro de traves laterais de alumínio e o motor fazendo parte da estrutura faz com que a pilotagem seja bem diferenciada da maioria dos scooters. Assim é o pequeno NMax 160, que também traz essas características, apesar de o quadro ser tubular de aço. </span></p>

<p><img alt="Yamaha NMax" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/honda_pcx_yamaha_nmax_scooter_motociclismo_foto_renato_duraes_5_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Com apelo mais esportivo do que o PCX e visual ao melhor estilo Yamaha, as diferenças começam logo na posição de pilotagem. </span>Diferentemente do scooter da Honda, onde pilotamos praticamente como se estivéssemos sentados em uma cadeira, no NMax 160 há mais espaço no banco, o tanque e o motor ficam exatamente entre os tornozelos do piloto, fazendo com que nossos pés fiquem mais bem encaixados se estiverem lá na frente no escudo frontal.</p>

<p><img alt="Honda PCX na versão DLX, com rodas douradas" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/honda_pcx_yamaha_nmax_scooter_motociclismo_foto_renato_duraes_4_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">É possível colocar os pés no assoalho, mas o espaço é pequeno e a posição não é a mais agradável. Aí está a maior surpresa do NMax 160, pois, apesar da posição diferenciada, ele é extremamente ágil, há mais espaço na altura dos joelhos e o ângulo de esterço do guidão é um absurdo, chega a 50°. Difícil de acreditar, mas o NMax 160 é mais ágil que o PCX. </span></p>

<p>Antes de realçar sobre suas maravilhas tecnológicas e seu desempenho, não podemos deixar de comentar sobre os detalhes visuais. Pelo menos aqui na Motorpress, teve quem preferisse o PCX. Quem gosta de esportividade gostou dos largos pneus do scooter Yamaha, do acabamento que cobre o guidão e do painel 100% digital.</p>

<p>Quem prefere certo grau de luxo gosta mais do PCX. Assim como o scooter da Honda, o NMax 160 também traz LED no farol e na luz de freio traseira, bolha pequena e espaço em baixo do banco, porém um capacete integral só cabe se for de cabeça para baixo.</p>

<p>Todavia, o NMax 160 compensa por contar com disco de freio na traseira (tambor no PCX) e vir equipado com sistema ABS de série.<br />
 <br />
<strong> Na prática</strong><br />
De imediato chama atenção a saúde do motor do NMax 160. O PCX nos agrada por ser esperto e ter ótimo desempenho, mas o NMax 160 é ainda mais ágil. Equipado com quatro válvulas (duas no PCX) e um exclusivo sistema que varia o tempo de abertura das mesmas, o monocilíndrico de exatos 155,09 cm³ consegue a façanha de ter imediata resposta em baixa e não perder força conforme a velocidade vai aumentando.</p>

<p><img alt="O espaço sob o assento do Honda PCX" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/honda_pcx_yamaha_nmax_scooter_motociclismo_foto_renato_duraes_6_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p>Segundo a fábrica, é exatamente a 6.000 rpm que entra um outro tempo de abertura das válvulas. É como se o motor estivesse sempre cheio, independentemente da velocidade. </p>

<p>Scooters não foram feitos para serem usados em velocidade máxima ou constante durante muito tempo. O câmbio CVT e a própria proposta de utilização urbana pedem acelerações e retomadas a todo instante, sempre na casa entre 20 e 80 km/h e, nessa faixa, apesar de o PCX ser esperto, o NMax 160 é ainda mais vigoroso.</p>

<p><img alt="O espaço sob o assento do Yamaha NMax" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/honda_pcx_yamaha_nmax_scooter_motociclismo_foto_renato_duraes_12_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p>A Yamaha declara 15 cv a 8.000 rpm e torque máximo de 1,4 kgf.m a 6.000 rpm, no nosso dinamômetro ele marcou 11,13 cv na roda com a velocidade de 93 km/h, já o PCX marcou 9,48 cv com a velocidade de 92,7 km/h. Então o NMax 160 deve gastar mais? Errado.</p>

<p>No mesmo trecho urbano e com o mesmo piloto, o NMax 160 fez 42 km/l contra 36 km/l do PCX. Com um consumo desses, os 6,6 litros do tanque são suficientes. </p>

<p>Sim, o NMax 160 é mais esperto e mais econômico, mas o que chama mais atenção é a ótima dirigibilidade, semelhante à de uma moto. Mérito das suspensões ligeiramente mais progressivas e dos pneus largos.</p>

<p><img alt="Na roda dianteira do Honda PCX, freio com acionamento combinado (CBS)" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/honda_pcx_yamaha_nmax_scooter_motociclismo_foto_renato_duraes_8_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p>O pneu traseiro tem medida 130/70-13 (100/90-14 no PCX) e na dianteira um 110/70-13 (90/90-14 no PCX). Tudo isso somado a um eficiente sistema ABS e dois discos ventilados de 230 mm. Os painéis são completamente diferentes e também causam discussão a respeito do visual.</p>

<p><img alt="Na roda dianteira do Yamaha NMax, freio com sistema antibloqueio (ABS)" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/honda_pcx_yamaha_nmax_scooter_motociclismo_foto_renato_duraes_14_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p>O do PCX é muito bonito, com um ponteiro de velocímetro que viaja por cima dos números, mas o do NMax 160, apesar de ser monocromático, é mais rico nas informações. Ele traz hodômetros parciais, consumo médio e instantâneo, quilômetros rodados desde à última troca de óleo e hodômetro relacionado à vida da correia dentada. Além do marcador de combustível há ainda um econômetro. </p>

<p>Como todos os produtos Yamaha que chegaram para incomodar um grande sucesso da Honda, a escolha vai depender mais do gosto visual do que para critérios técnicos. O NMax pode ser um pouco mais veloz e também mais econômico, mas não acreditamos que ele roubará clientes que já possuem um PCX. </p>

<p>Acreditamos que há espaço para os dois no mercado. As diferenças visuais são fatores de extrema importância na decisão de compra, mas é muito mais provável um cliente fã de Yamaha deixar de comprar uma moto da marca e optar por um NMax do que esse scooter Yamaha roubar a liderança da Honda. <span style="line-height: 1.6em;">Assim é com a Fazer 150 e com a CG Titan.</span></p>

<p><img alt="A iluminação do NMax e do PCX são em LED" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/honda_pcx_yamaha_nmax_scooter_motociclismo_foto_renato_duraes_3_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">No site da Yamaha a marca informa o preço sugerido de R$ 11.690 (sem frete). No site da Honda, o PCX está com preço fixado em R$ 10.814 e na versão DLX, em R$ 11.234 (sem frete e sem seguro). Consulte as concessionárias mais próximas de você, para ter o preço exato destes modelos.</span></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Pela tabela Fipe (pesquisado em 28/09/16), o NMax custa R$ 11.534 e o PCX custa R$ 11.836, uma diferença de R$ 302 à favor do NMax, m</span>esmo contando com o costumeiramente caro ABS. Porém, com maior rede de concessionárias a Honda não teme perder a liderança. No final, o verdadeiro ganhador é o consumidor.</p>

<p><img alt="Honda PCX e Yamaha NMax. Qual é o seu favorito?" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/honda_pcx_yamaha_nmax_scooter_motociclismo_foto_renato_duraes_1_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;"><strong>Conclusão</strong><br />
Interessante como são produtos diretamente rivais, mas conseguem, ao mesmo tempo, ser tão diferentes. Visualmente e praticamente eles não têm nada a ver um com o outro. Enquanto o PCX 150 preza por conforto e versatilidade, o NMax 160 tem caráter muito mais esportivo e vence esse comparativo, porque além de mais potente, é mais econômico e traz ABS de série.</span></p>

<p><strong><span style="line-height: 1.6em;">Veja também! <a href="http://www.motorpress.com.br/moto/especiais/especiais/conheca-o-scooter-neo-125-agente-duplo-da-yamaha/"><span style="color:#FF0000;">Yamaha Neo 125, o agente duplo da Yamaha</span></a></span></strong></p>

Conteúdo Recomendado

Comentários