Card image
Testes
Como anda a Triumph Trident 660 que deve chegar ao Brasil em 2022

5 Minutos de leitura

  • Publicado: 04/08/2021
  • Por: Alexandre Nogueira

A Triumph Trident 660 chega num momento bem oportuno para conquistar um novo segmento, mas mantendo a filosofia tradicional da marca. Uma moto simplificada para lutar diretamente com os modelos mais vendidos da categoria, como a Kawasaki Z 650 ou a Yamaha MT-07, as rainhas do segmento médio e, certamente, ela deve estar nos planos da marca inglesa para chegar por aqui em 2022.

A Triumph Trident 660 tem um motor realmente notável, o tricilíndrico que foi lançado e muito bem sucedido com a Street Triple e a Daytona 675, capaz de impulsionar todos os tipos de motocicletas esportivas, e até mesmo para a Triumph dar o pulo para a MotoGP, para se tornar o motor da categoria Moto2, substituindo o venerável motor de quatro cilindros em linha da Honda CBR 600RR, e ainda ser capaz de melhorar os tempos ano após ano, inclusive quebrando recordes. Sua versatilidade é evidente pelo fato de que os motores da Moto2 são mais potentes e chegam a 123 cv, enquanto o motor desta Trident declara 81 CV a 10.300 rpm. Com este cartão de visita, a nova naked da Triumph já promete.

Texto: Pepe Burgaleta
Edição: Alexandre Nogueira
Fotos: Jaime Olivares

Veja também:
Yamaha Fazer 250 ganha versão inspirada na MotoGP
Lançada no Brasil, BMW G 310 GS parte de R$ 35.900
Andar de moto no frio exige cuidados do motociclista

No entanto, o terreno em que a Trident pretende entrar já está bastante maduro, pois os modelos de maior sucesso foram evoluindo e alcançando o equilíbrio exato entre preço, desempenho e nível de equipamentos que seus clientes exigem. Para chegar lá e ter sucesso era preciso um produto perfeitamente adaptado, e a Triumph conseguiu fazer isso, obrigada para lutar com uma arma diferente, seu motor. Enquanto suas principais rivais equipam as máquinas da categoria com motores de dois cilindros com as mais variadas configurações, a Triumph oferece mais um, com suas vantagens e desvantagens.

É claro que não há uniformidade, porque encontramos o bicilíndrico paralelo tradicional com defasagem de 180° entre as bielas como o da Kawasaki Z 650, o Crossplane de 270° na Yamaha MT-07, e o V-Twin a 90° da Suzuki SV 650 Gladius, que não está mais por aqui, então o tricilíndrico aumenta a lacuna com sua particularidade no funcionamento.

O chassi de alumínio de suas irmãs inglesas tornou-se de aço, com uma estrutura simples, mas eficaz, e as suspensões e os freios são mais simplórios. No entanto, foi alcançado um conjunto homogêneo e atraente, porque seu design é totalmente particular, um sucesso dos artistas da marca britânica. Os 81 cv de potência que a Triumph declara, são mais do que os de suas rivais, mas o melhor desse três cilindros em linha, do qual poderia ter sido extraído ainda mais, é seu modo de operação.

Para reduzir a potência, os engenheiros buscaram se concentrar em alcançar uma curva de torque muito plana, que mantém valores próximos ao máximo na maior parte de sua faixa de operação. Uma peculiaridade é que o desempenho cresce de repente, para que você encontre um motor de caráter mais animado precisamente em velocidades mais baixas, para estabilizar depois. Este torque tão plano permite que você esqueça a mudança de marchas.

Outra característica desta motocicleta é o seu tamanho compacto. Já parece pequena aos olhos, impressão confirmada quando você monta nela e se sente bem encaixado. A posição é confortável e o assento é baixo, o que vai abrir a motocicleta para o segmento feminino, algo que contribui para a boa sensação do motor e suavidade dos controles para que, na cidade, comporte-se maravilhosamente.

A Triumph Trident 660 tem chassi de aço e suspensões convencionais, mas é ágil e estável, tem suspensões firmes e freios conforme o necessário. As virtudes são mais do que corretas, com velocidade máxima próxima dos 200 km/h, arrancadas e retomadas notáveis. Além disso, como o motor não titubeia em nenhum regime de rotação, ele parece realmente fácil de manusear, entende-se perfeição imediatamente auxiliada pelo toque no acelerador eletrônico, que tem uma atuação muito suave.

As formas compactas da Trident têm suas vantagens em seu comportamento dinâmico, mas também algumas desvantagens. Não há muito espaço para carregar bagagem, a parte traseira é curta e o tanque de combustível relativamente alto. A Trident é uma motocicleta para uso diário com muita praticidade, e com possibilidade de demonstração do seu valor na tocada esportiva. O guidão não é excessivamente largo, e você pode se apoiar nele em todas as fases da condução, permitindo pêndulos para atacar curvas. A configuração de ajuste de pré-carga do monoamortecedor traseiro é válida para regular a altura, mas nas saídas de curvas a todo gás, a parte traseira acaba cedendo irremediavelmente.

O sistema de ajuda eletrônica começa com controle de tração, e se você acelera decisivamente, você verá como ele cumpre sua função. A Trident é divertida porque se move bem de um lado para o outro, que, sem dúvida, é o centro nervoso desta motocicleta, e sua grande vantagem, com respeito à suas rivais mais próximas equipados com motores de dois cilindros.

Acompanhe a MOTOCICLISMO também pelas mídias sociais!
– 
Instagram – Facebook – YouTube – Twitter

Um aspecto em que a Triumph teve cuidado foi no preço. Custando à partir de $8.195 euros na Europa (R$ 50.580), um pouco mais do que suas rivais, a Yamaha MT-07 é a mais barata, custa $7.000 euros (R$ 43.115) e tem a melhor relação custo-benefício. A Z 650 custa $7.399 euros (R$ 45.570), e a Suzuki SV 650 é vendida por $7.158 euros (R$ 44.090).

Conteúdo Recomendado

Comentários