Card image
Testes
BMW S 1000 XR: alto desempenho e conforto juntos

8 Minutos de leitura

  • Publicado: 18/09/2015
  • Por: admin

<p>Não é preciso esconder de ninguém que sou um fã incondicional da S 1000 R, uma supernaked exemplar, realmente rápida e polivalente. Desde que estivemos na sua apresentação em Palma de Mallorca, na Espanha, no finalzinho de 2013 (teste publicado na edição 193 da MOTOCICLISMO), a naked alemã tornou-se para mim uma espécie de referência na categoria, tal a boa impressão que me deixou. </p>

<p><img alt="A XR é a representante da família S ideal para viagens, inclusive as longas" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/s_1000_xr-1_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p>Pela moto que é — e por sua proposta —, é até injusto criticar sua pouca proteção aerodinâmica ou o fato de não ser superconfortável para uma viagem longa, tanto pelo banco quanto pelas suspensões firmes, mas o fato é que a “R” não é mesmo uma opção para quem quer fazer turismo em uma motocicleta.</p>

<p>Até por isso, desde o lançamento na encantadora ilha espanhola, já se falava de uma hipotética versão “RS” provida de algum tipo de carenagem e outros detalhes que melhorassem a aptidão touring da supernaked alemã… mas a BMW preferiu seguir por outro caminho. Ela desenvolveu um modelo ainda mais polivalente, em cuja alça de mira se encontra a Ducati Multistrada 1200.</p>

<p><img alt="Embora seja classificada como Crossover, a S 1000 XR é uma motocicleta inteiramente destinada ao uso on-road" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/s_1000_xr-6_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">A nova BMW foi batizada como S 1000 XR e entra no catálogo da marca como uma “maxitrail de asfalto”. A nomenclatura — que nós da MOTOCICLISMO chamamos de crossover — se deve ao fato do modelo trazer rodas de 17” em ambos os eixos e calçadas com pneus esportivos 100% on-road. </span></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Além disso, ainda que suas suspensões possuam mais curso do que nos habituamos a ver em motos de asfalto, elas não chegam ao curso que encontramos em modelos maxitrail de aspirações mais off-road. Outro aspecto evidente e que a XR não faz a mínima questão de esconder é sua genética esportiva. </span></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Ela é diretamente derivada da S 1000 R, mas esta, por sua vez, foi desenvolvida tomando como base a radical S 1000 RR, uma superbike que tornou-se referência em performance global assim que foi lançada.</span></p>

<p><img alt="A posição de pilotagem é confortável, digna de uma motocicleta com aptidão touring " height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/s_1000_xr-2_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p>Sem medo – A BMW trabalhou para que a XR seja uma maxitrail compacta e leve de acordo com o que os novos padrões da categoria exigem, e, por isso, a moto não assusta quando nos colocamos ao seu lado, não sendo difícil passar a perna sobre o banco e assumir o posto de comando.</p>

<p>Uma vez ali, chama a atenção a facilidade com que apoiamos os pés no chão, de forma que alguém de 1,80m consegue apoiar as duas plantas do pé no solo, algo que nem é necessário se você já tem alguma experiência. Por essa razão — e pelo fato de não haver regulagem de altura —, eu optaria pelo assento mais alto (855 mm), vendido como opcional, e que por ter mais espuma melhora ainda mais o conforto ao pilotar.</p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Por outro lado o guidão é consideravelmente largo e por meio de longos raisers se aproxima bem do nosso tronco, o que ajuda muito para que a posição de pilotagem seja bem relaxada. As pedaleiras também estão mais baixas e adiantadas com relação à S 1000 R, e ainda receberam borrachas. </span></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Essa configuração resulta em uma ergonomia acertada e perfeita para desfrutar muitos quilômetros pilotando a XR. Além de tudo isso, a altura livre do solo é generosa e as citadas pedaleiras não tocam o asfalto com facilidade ao inclinarmos com vontade nas curvas.</span></p>

<p><img alt="Estradas de montanha, repletas de curvas, são o território dessa bela BMW" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/s_1000_xr-10_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p>A proteção oferecida pela carenagem é elevada. Fica claro que não é uma GT, mas mesmo com a bolha na posição mais baixa não sentimos muito o incômodo do vento.</p>

<p>Chama a atenção o sistema de regulagem manual, que permite optar entre duas alturas de forma simples e rápida, inclusive em movimento, atuando diretamente com uma de nossas mãos sobre a própria bolha. Se a moto contar com os protetores de mão, como a moto testada, a proteção contra vento e intempéries é ainda mais eficiente.</p>

<p><img alt="Como é de costume, a BMW oferece uma enorme gama de acessórios para tornar a S 1000 XR ainda mais apta para viajar " height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/s_1000_xr-910_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p><strong style="line-height: 1.6em;">O som alemão – </strong><span style="line-height: 1.6em;">Assim que começamos a rodar com a XR logo vem à nossa mente algumas lembranças de família. Como acontece com suas irmãs, o funcionamento do tetracilíndrico alemão não é dos mais silenciosos. </span></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Se você possui o costume de pilotar com protetores auditivos, ok, mas sem eles ouvimos o tetracilíndrico em alto e bom som, tanto a melodia grave emanada pelo escape quanto aquele que é proveniente da mecânica trabalhando. Obviamente, nada que incomode, mas sim mais perceptível que em motores similares de outros fabricantes.</span></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">A BMW anunciou algumas modificações no sistema de gestão para “arredondar” o funcionamento do tetra em linha, mas não notamos nada significativo em relação à supernaked. Tanto que os valores declarados de potência e torque são exatamente os mesmos, assim como as rotações em que os números máximos se apresentam.</span></p>

<p><img alt="Eficiente, a lanterna só divide opiniões sobre sua estética. Já as alças de apoio para o garupa, agradaram" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/s_1000_xr-9_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p>Os 160 cv divulgados não são nada mal e, se a XR seguir a tradição das irmãs, os valores reais alcançados no dinamômetro devem ficar muito próximos a isso.</p>

<p>No modo “Rain”, o valor já supera os 140 cv, o que é útil para aproveitarmos todo o potencial da moto em asfalto seco, mas pouco aderente, ou em estradinhas secundárias estreitas e cheias de curvas, já que com esse modo selecionado o controle de tração fica bem mais atuantes.</p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Não há grandes diferenças entre os modos “Road” e “Dynamic”, ainda que seja nítida a resposta inicial do acelerador mais rápida quando estamos na segunda opção. </span></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Por ser um quatro cilindros, a resposta do motor é prodigiosa em qualquer rotação, e até por isso, quando rodamos em sexta marcha a uma velocidade baixa podemos ter a sensação de que a relação de marchas é demasiadamente curta, mas não se preocupe, porque é só impressão. Assim como a versão R, o câmbio está idealizado para levar a XR até 250 km/h.</span></p>

<p><img alt="Apesar de ser uma motocicleta destinada a viagnes, a XR conta com quick shifter" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/s_1000_xr-8_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p>Por outro lado a caixa de câmbio segue com um acionamento mais duro que o desejado, ainda que seja precisa e rápida. O “quick-shifter” opcional não apenas permite subir de marcha sem desacelerar e sem acionar a embreagem como também permite reduzir, ainda que nesse caso seja necessário fechar o gás.</p>

<p>Um daqueles detalhes que fazem toda a diferença: a BMW trabalhou para que durante o uso do “quick-shifter” com o modo Dynamic selecionado, o escape emita um estampido “esportivo”, tanto ao subir quanto ao baixar marchas. Não é comum ver uma maxitrail assim…</p>

<p><span style="line-height: 1.6em;"> Ágil e constante – Desde o momento em que as rodas começam a girar sentimos que esta alemã é uma moto ágil (declarados 228 kg de peso cheio) e que não exige muito espaço para fazer uma volta de 180° de uma vez só. O guidão largo ajuda muito nas manobras e, quando andamos rápido, a sensação de controle que ele transmite é muito elevada. </span></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">A roda dianteira pisa com firmeza em qualquer condição e nos impressionou a facilidade com que é possível inclinar a moto de um lado para outro quando enfrentamos sequências de curvas. Essa seja, possivelmente, sua principal característica: o binômio estabilidade/agilidade.  </span></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Não há muita oscilação longitudinal, tanto ao frear quanto ao acelerar, o que permite traçar as curvas de maneira muito uniforme e sem grandes movimentos. Além de permitir múltiplas regulagens, as suspensões Dynamic ESA trabalham de forma inteligente e se autoajustam seguindo alguns parâmetros.</span></p>

<p><img alt="Bonito, legível e repleto de informações… Assim é o painel da S 1000 XR" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/s_1000_xr-7_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p>Ainda que pareça um contrassenso, com a XR conseguimos praticar uma pilotagem agressiva de maneira até relaxada, ainda que com a necessária concentração, afinal, é uma moto com desempenho digno de superbike e que engole curvas incrivelmente.</p>

<p>Analisando friamente, não acreditamos que existam muitas motos, de qualquer categoria, capazes de acompanhar uma XR em uma estradinha estreita e sinuosa. Realmente impressionante.</p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Com respeito às frenagens, a BMW optou por não utilizar uma bomba radial para que o primeiro toque no freio não seja demasiadamente brusco. Lógico que é potente e fácil de dosar apesar de ser integral parcial, mas durante nossa avaliação, depois de algumas frenagens fortes em sequencia, o manete cedeu um pouco mesmo ainda dentro do aceitável. </span></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Também vale mencionar a eficácia do ABS Pro opcional, que utiliza a inclinação da moto como um dos parâmetros que regem sua forma de atuação e se apresenta como mais um recurso de segurança diante de possíveis imprevistos em curvas.</span></p>

<p><img alt="Freios poderosos e com ABS de última geração" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/s_1000_xr-5_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">A nova XR compartilha muitas coisas com as irmãs S 1000 R e RR, mas ela se diferencia por uma maior altura em função das suspensões de maior curso (150 e 140 mm), maior ângulo de cáster (25,5°), subchassi reforçado com as fixações ao chassi mais baixas e balança 65 mm mais longa. </span></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">A ergonomia também é diferente, com um guidão largo </span><span style="line-height: 1.6em;">e próximo ao piloto e pedaleiras com borrachas mais baixas </span><span style="line-height: 1.6em;">e à frente. Além disso, a carenagem foi projetada com </span><span style="line-height: 1.6em;">o objetivo de proteger o piloto e acompanha ainda um tanque de maior capacidade (20 litros). O silenciador de seção pentagonal é mais volumoso e está fixado mais baixo para deixar espaço para malas laterais e as pedaleiras do garupa.</span></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">A instrumentação é a mesma da “R” com conta-giros analógico de fundo branco e um completo painel multifun­cional digital. O freio dianteiro não muda, com discos de  320 mm e pinças radiais de quatro pistões. Já o disco traseiro sim, cresceu, e tem 265 mm na XR. </span></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">O modelo comercializado no Brasil traz de série ABS desligável, controle de tração ASC e modos de pilotagem Road e Rain. São opcionais os modos Dynamic e Dynamic Pro (com ABS Pro e DTC), Dynamic ESA nas suspensões e mais alguns detalhes.<strong> O preço? R$ 71 900.</strong></span></p>

<p><img alt=" " height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/ficha4_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

Conteúdo Recomendado

Comentários