Card image
Testes
Aceleramos a super prática Honda NC 750X

8 Minutos de leitura

  • Publicado: 22/04/2015
  • Por: admin

<p><em>Déjà vu</em> é um termo francês que significa “já visto”, o que não é o caso da NC 750X, upgrade da Honda NC 700X, que manteve a aparência mas mudou internamente, funcionalmente, e essas diferenças motivaram a realização de uma avaliação completa.</p>

<p><img alt="Enquanto muitas motos apresentam mudanças apenas no visual, a NC 750X mudou funcionalmente" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/nc4_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p>Para não deixar nenhum detalhe passar, vamos começar listando as diferenças da 700X para a 750X:</p>

<p><strong>1. </strong>Utilização de dois balanceiros, em vez de um, no motor, reduzindo as vibrações;</p>

<p><strong>2.</strong> Aumento de 4 mm no diâmetro dos pistões, elevando a cilindrada para 745 cm³;</p>

<p><strong style="line-height: 1.6em;">3.</strong><span style="line-height: 1.6em;"> Melhorias no sistema de embreagem, visando maior durabilidade (molas com maior pressão), e no sistema de câmbio, passando de três para quatro garfos seletores, proporcionando engates mais rápidos e precisos;</span></p>

<p><strong>4.</strong> Aumento de um dente no pinhão, passando de 16 para 17 dentes, modificação feita devido ao aumento de torque e potência do motor e que proporciona menor vibração e reduz o consumo de combustível devido à diminuição das rotações em velocidade de cruzeiro;</p>

<p><strong>5.</strong> Melhorias no cabeçote elevando o período de inspeção/ajustes das folgas das válvulas de 12 000 km para 24 000 km;</p>

<p><strong>6.</strong> Bateria de maior capacidade;</p>

<p><strong>7.</strong> Pneus Pirelli Scorpion Trail que proporcionam melhor dirigibilidade em relação aos Bridgestone BT023 utilizados na NC 700X;</p>

<p><strong>8.</strong> O sistema de freio ainda pode ter ABS (opcional), mas agora não conta com a ação combinada do C-ABS da 700X;</p>

<p><strong>9.</strong> O painel ganhou indicador de marcha e computador de bordo;</p>

<p><strong>10.</strong> O preço aumentou em 3,7% (R$ 1 100) na versão com ABS e 5,4% (R$ 1 500) na versão STD.</p>

<p>Diferenças apresentadas, vamos à avaliação da nova crossover, que a Honda espera comercializar 2 000 unidades/ano, sendo 80% com ABS e 20% STD.</p>

<p><img alt="As melhorias da NC 750X são pequenas em números, mas grandes na prática" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/nc18_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Na pilotagem, duas grandes diferenças são rapidamente notadas: o ganho de desempenho do motor, que passa a impressão de que a moto é mais “viva” que a antecessora, ficando mais prazerosa de ser conduzida, e os freios, que agora não têm mais a ação combinada, mas seguem com a opção de sistema antiblocante. </span></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Na 700X, era difícil ver o ABS entrar em ação, graças à ação do eficiente sistema combinado. Agora, com ação independente, o ABS trabalha bastante, e o melhor, trabalha bem, garantindo segurança nas frenagens emergenciais.</span></p>

<p><img alt="A NC 750X não tem o acionamento combinado da NC 700X, mas segue freando bem com o ABS" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/nc17_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Testamos frenagens apenas com a dianteira, apenas com a traseira, e, obviamente a correta, com as duas rodas. Como de costume, o nível de interferência na roda dianteira é mínimo (e, sem provocar propositadamente, não há risco de que a roda traseira levante, no “RL”), e na traseira você percebe mais o ABS em ação. Vale lembrar que — em nenhuma moto — o ABS não é milagroso e, em curvas, o sistema atua até certo ponto. </span></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Isto é, se você estiver inclinado e frear bruscamente poderá perder a aderência e cair. </span><span style="line-height: 1.6em;">O uso do mesmo pneu da CB 500X (Scorpion Trail, da Pirelli) colaborou muito para o ganho de agilidade. Apesar dos 219 kg (peso cheio, com ABS), no asfalto ela parece muito leve e muda facilmente de direção, não importa quão fechadas sejam as curvas.</span></p>

<p><img alt="A NC 750X segue sendo racional, como a NC 700X era, mas as mudanças tornaram ela mais atrativa" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/nc3_620x467.jpg" style="margin: 0px auto; display: block; width: 620px; height: 467px;" /></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Logo no primeiro trecho do percurso, lembramos de um item que fazia falta na 700X e segue ausente na 750X: um para-brisa maior e ajustável. O original é pequeno para proteger o usuário na estrada, é ajustável, mas em apenas 16 mm. </span></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Se você já possui uma 700X ou pretende comprar uma 750X, pode até sair da concessionária com o acessório instalado, pois vai precisar, se deseja ter mais conforto em viagens, principalmente se enfrentar no percurso longas retas em alta velocidade. Outro item que você pode adquirir e que seria bem-vindo na 750X é um escapamento esportivo, pois o ronco do motor lembra muito o de motos custom, e, assim como nas estradeiras cheias de cromo, um ronco mais encorpado fica ótimo… </span></p>

<p><span style="line-height: 1.6em;">Sem exagero, evidentemente. Como também não é um item barato, procure por vídeos na internet, neles você encontrará dezenas de NC com escapes esportivos, e escolha aquele que mais o agrada.</span></p>

<p><img alt="O painel da NC 750X ganhou indicador de marcha e de consumo instantâneo" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/nc2_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p>Durante o percurso, os novos — e bem-vindos — itens do painel trabalham como um instrutor de pilotagem, fazendo com que pela informação de consumo instantâneo você consiga aprender a pilotar de forma mais econômica, recurso ótimo em época de aumento no preço da gasolina.</p>

<p>Por falar nisso, um dos pontos fortes desta nova NC 750X é que, mesmo entregando uma performance superior em relação à 700, ela é mais econômica que a antecessora, apresentando um consumo equivalente ao de um motor de 250 cm³ monocilíndrico.</p>

<p>Com esse trunfo podemos usar a moto no dia a dia sem se enforcar para arcar com o gasto com combustível. O indicador de marchas é sempre útil e, entre outras coisas, ajuda a evitar que você fique procurando uma sétima marcha ou que arranque no semáforo aberto em segunda ou terceira.</p>

<p><img alt="Sem poupar a NC 750X durante o teste, exploramos seu lado aventureiro" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/nc8_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p><strong style="line-height: 1.6em;">O fator aventura</strong></p>

<p>O “X” na sigla de uma moto significa que ela deve ter um lado aventureiro. Resolvemos avaliar o “fator X” da nova NC encarando trechos sem asfalto, com areia, pedras e água, tomando o devido cuidado, pois o escape é baixo.</p>

<p>Nos divertimos nessa condição, mas o chassi e a balança de aço deixam a moto pesada, para algumas situações enfrentadas, em que as suspensões também mostraram-se curtas e limitadas pelo peso elevado da moto.</p>

<p>Ela encara aventuras, mas com restrições que outras motos mais leves enfrentam sem dificuldades. Em comparação, ela pesa 40 kg mais que a recém-lançada MT-07. No asfalto, ao manobrá-la desligada ou em reduzidos espaços, o peso tambem atrapalha, principalmente em desnível.</p>

<p><img alt="O assento acomoda melhor o piloto do que o passageiro e ganhou forro antiderrapante" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/nc11_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p>Para o passageiro o assento não é tão confortável quanto para o piloto, mas, ainda assim, é bem satisfatório e dá para encarar viagens tranquilo. Sem passageiro, evite amarrar toda sua bagagem sobre a garupa, pois ali fica o acesso à tampa do tanque de combustível.</p>

<p>Vai fazer uma longa viagem? Adquira bauletos traseiro e laterais se não quiser ter dor de cabeça no abastecimento. Durante os 1 000 km, enfrentamos muito sol no litoral norte paulista, neblina e garoa na serra e chuva forte na rodovia.</p>

<p>No trecho do percurso com muitos pedágios, o porta-capacetes, que utilizamos como “guarda-tudo”, tornou este ritual menos sofrido, deixando o dinheiro dentro dele, onde também levamos o celular, os documentos, barras de cereal, câmera digital, garrafa de água e capa de chuva completa.</p>

<p>Cabe muita coisa ali e esse é um diferencial que nenhuma moto no mercado tem, apenas scooters, e nem todo mundo é fã desses práticos veículos.</p>

<p><img alt="O porta-capacete é um diferencial, que garante praticidade ao usuário" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/nc15_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p>Se interessou em comprar a NC 750X? Para manter a crossover em dia até 18 000 km, o usuário que seguir o cronograma de manutenção da Honda irá realizar quatro paradas para revisão na concessionária, com custo médio de apenas R$ 607,40, sendo a segunda de 6 000 km, sem custo, para inspeções e ajustes necessários. Custo bem acessível para uma moto “premium”.</p>

<p><img alt="Na estrada, a pilotagem com a NC 750X é confortável, segura e prazerosa" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/nc6_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p> Questionamos a Honda por não disponibilizar (novamente) uma versão com câmbio DCT da NC 750X, o que tornaria a moto ainda mais prática e acessível para novos condutores. A fabricante alegou que trazer esta tecnologia para a NC 750X acarretaria em nacionalizar o processo, tornando alto (e pouco competitivo) o preço final do modelo — lembrando que a moto é produzida em Manaus.</p>

<p>Para ter esse câmbio nacionalizado, tería que ter um grande procura que justificar o investimento. O que ainda não existe, pois poucos têm noção das virtudes desta polivalente crossover, que oferece funcionalidade quase absoluta. Com importantes melhorias funcionais em relação à já supereficiente antecessora, ficou mais divertida, mais “emoção”, mais econômica e mais segura.</p>

<p>No fora de estrada, o peso elevado impõe limitações de uso para usuários comuns, e a suspensão não lida bem com esse peso ao enfrentar muitas irregularidades pelo caminho. Com chassi e balança em alumínio, com certeza seria a mais funcional (e bem mais divertida) moto do mercado, mas, o custo seria bem mais elevado, e, como sempre, é um obstáculo na busca da moto ideal. Quem sabe um dia.</p>

<p><strong>Em quatro palavras</strong></p>

<p><strong>Cidade</strong></p>

<p>A NC 750X enfrenta bem o caos urbano, e seu baixo consumo, o prático porta-capacete, a posição de pilotagem e o ganho em agilidade dos novos pneus tornam o ir e vir melhor.</p>

<p><strong>Estrada</strong></p>

<p>Para viajar, ela funciona  bem também, é confortável para piloto e um pouco menos para o passageiro, oferece muita segurança pela estabilidade e bons freios. Precisa ter um para-brisa maior.</p>

<p><strong>Motor</strong></p>

<p>Com o corte de <span style="line-height: 1.6em;">giro um pouco mais tardio e o ganho de desempenho pela cilindrada adicional, o motor agora empolga mais que o da 700X. As vibrações são praticamente nulas, não é beberrão… Muito bom!</span></p>

<p><strong>Consumo</strong></p>

<p>Com 745 cm³, obtivemos a impressionante marca de 42 km/l rodando tranquilamente descendo a estrada SP-50. Já andando a 120 km/h constante a “pior” marca foi de 19 km/l. Ótimo!</p>

<p><img alt="A NC 750X cumpre bem sua função no asfalto, e em pequenas imersões no fora de estrada" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/nc7_620x467.jpg" style="margin: 0px auto; display: block; width: 620px; height: 467px;" /></p>

<p><strong>Conclusão – por Marcelo de Barros</strong></p>

<p>O que já era bom ficou melhor, mas não perfeito. Como uma “X” que se preze pelo lado aventureiro, poderia ser mais leve e ter suspensões calibradas para absorver irregularidades maiores. Segue sendo boa para tudo quando estamos no asfalto.</p>

<p>Bem confortável, permite a você encarar uma estrada de terra batida com diversão, mas sem exageros. As melhorias implantadas a tornaram mais divertida e ainda mais funcional e, sem a ação combinada, os freios ABS agora trabalham bastante nas frenagens mais fortes, garantindo a segurança.</p>

<p>O acréscimo no preço foi menor do que a evolução da moto. Melhorou o custo-benefício, mas segue sendo uma moto injustiçada, mal compreendida pelo público, que compreendeu a que veio, pois é baixo o número de vendas do modelo, mesmo tendo a Honda a maior rede de concessionárias do Brasil. </p>

Conteúdo Recomendado

Comentários