Card image
Notícias
Yamaha T-Max 560 2020 chega às ruas

5 Minutos de leitura

  • Publicado: 12/05/2020
  • Por: Alexandre Nogueira

O fabuloso maxiscooter esportivo Yamaha T-Max 560 chega atualizado, com incremento da potência e do torque e algumas novidades eletrônicas para mantê-lo no topo do ranking da categoria.

Yamaha T-Max 560: visual renovado e eletrônica embarcada (Divulgação)

A série do maxi-scooter T-max surgiu em 2001, idealizado com foco no mercado europeu, que vinha descobrindo e utilizando o scooter cada vez mais e, portanto, exigia um produto de status, mais sofisticado e potente, que também pudesse ser utilizado nas estradas com boa performance.

Yamaha T-Max 560: iluminação total LED (Divulgação)

Veja também:
Nova Honda CBR600RR deve ser lançada em outubro
Dodge Tomahawk V10 é clonada em versão de 150 cm³
Autódromo de Interlagos completa 80 anos de história

A Yamaha fez uma aposta arriscada na época ao mesclar o DNA esportivo de suas máquinas mais radicais com a versatilidade de um scooter. A ideia não poderia ser melhor e a Yamaha acabou lançando uma nova tendência, e o sucesso é tanto que após seis gerações, o T-Max já vendeu mais de 275.000 unidades só na Europa. Os preços da nova geração 2020 partem de 11.560 euros.

Yamaha T-Max 560: traseira lapidada e mais esportiva (Divulgação)

A primeira geração inovou com o motor bicilíndrico de 500 cm³, o maior motor já utilizado em um scooter, em 2012 chegou o motor de 530 cm³, e esta nova geração 2020 chega com um motor atualizado para 562 cm³ com pistões de alumínio forjado e ganho real de 3,5 % na potência e 6% no torque, chegando agora a 47,6 cv de potência em 7.500 rpm e 5,68 kgf.m de torque em 5.250 rpm, trabalhando em sincronia com o novo câmbio CVT com novos ajustes das polias para proporcionar arrancadas mais fortes e respostas mais nítidas do acelerador, bem como maior conforto na velocidade de cruzeiro nas estradas.

Yamaha T-Max 560: motor fixo ao chassi e balança como nas motos (Divlgação)

Para atender às demandas do Euro5, a Yamaha equipou o T-Max 560 com um novo sistema de escapamento com dois catalisadores, mantendo o som rouco característico de seu motor. Agora, o Yamaha T-Max 560 oferece controle de tração e dois mapas de pilotagem, um com uma entrega suave especialmente projetada para direção urbana e um segundo para destacar todo o caráter do bicilíndrico de 562 cm³.

Yamaha T-Max 560: novo escapamento para normas Euro5 (Divulgação)

O chassi é um dupla viga de alumínio e agrega um garfo invertido de 41 mm de diâmetro e um monoamortecedor traseiro regulável na pré carga para os serviços de suspensão, equilibrando perfeitamente a proposta de esportividade com conforto e proporcionando uma tocada ágil e precisa. O sistema de freios, com dois discos na dianteira e um disco na traseira, tem assistência do ABS, é bem potente e dá conta do recado perfeitamente para segurar os 206 kg do conjunto, mesmo em altas velocidades.

Yamaha T-Max 560: suspensão invertida e freios a disco garantem esportividade (Divulgação)

Diferente de todos os scooters pequenos e médios, onde o próprio motor se faz de suspensão traseira, no T-Max o motor é ancorado diretamente no chassi e há uma balança convencional, com a transmissão final por correia dentada, por isso o comportamento dinâmico deste scooter é bem semelhante ao de uma moto.

Yamaha T-Max 560: TechMax tem assento manoplas e assento aquecido (Divulgação)

O Yamaha T-MAX 560 passou por uma pequena dieta para emagrecer o conjunto e dar uma aparência mais esportiva. Todos os painéis da carroceria são novos, embora mantenha a mesma silhueta inconfundível, principalmente da frontal, com os piscas em LED embutidos na carenagem para uma aparência mais limpa e, na parte traseira mais afilada, chega uma nova lanterna em LED em forma de T.

Yamaha T-Max 560: lanterna traseira em T reforça o DNA da série (Divulgação)

O maxi-scooter 2020 da Yamaha chega em duas versões, o Yamaha T-Max 560 e o Yamaha T-Max Tech Max, versão mais sofisticada que tem o painel com visor TFT que agrega funções eletrônicas, como o MyTMAX Connect, um aplicativo que permite monitorar o local onde o seu T-Max está localizado a partir do aplicativo do seu telefone celular. Além disso, são incluídos o sistema de chave por sensor de presença e a trava do cavalete central, impedindo que ele seja acionado se a chave não estiver nas proximidades. O TechMax vem equipado com um monoamortecedor traseiro totalmente ajustável na cor dourada.

Yamaha T-Max 560: painel com conectividade Bluetooth (Divulgação)

O pacote de conforto inclui piloto automático, manoplas e banco aquecidos, para tornar a pilotagem ainda mais confortável e agradável em qualquer clima. Como opcionais, há um kit de cartucho para a suspensão dianteira com regulagems de pré carga da mola e velocidade do retorno e um monoamortecedor Öhlins regulável para a traseira. Há também uma lista com mais de cinquenta acessórios originais Yamaha para equipar e adequar ainda mais a sua T-Max 560.

Yamaha T-Max 560: kit de cartucho regulável como opcional (Divulgação)

A Yamaha não hesitou em classificar a Yamaha T-Max Tech Max como a scooter definitiva, estabelecendo um novo patamar na categoria das scooters esportivas. “Projetado para quem deseja desempenho máximo, status, emoções e versatilidade”, afirma literalmente a fabricante japonesa.

Pelo Brasil, o Yamaha T-Max 530 roda desde 2014, mas por conta do alto preço e do baixo volume de vendas, a Yamaha do Brasil descontinuou sua importação no final de 2017, deixando saudades. É possível encontrar o Yamaha T-Max 530 no mercado de usados com preços à partir de R$ 35.000.

Não deixe de conferir a MOTOCICLISMO 269 que já está disponível nas plataformas digitais GoRead e RevistariaS, trazendo a mesma qualidade da edição impressa. Você vai ver a exclusiva Ducati Superleggera V4, as novas BMW F 900 R e F 900 XR, uma entrevista com Marcelo Fonseca, responsável pela operação brasileira da Voltz, marca de scooters elétricos, e novidades da Kawasaki e da Honda para mercados internacionais. Garanta já seu exemplar e boa leitura!