Card image
Notícias
MV Agusta Brutale 1000, a definição perfeita de streetfighter

4 Minutos de leitura

  • Publicado: 11/04/2020
  • Atualizado: 12/04/2020 às 6:53
  • Por: Alexandre Nogueira

Podemos dizer que, assim como a Lamborghini está para os carros, a MV Agusta está para as motos, uma das mais consagradas marcas do Mundial de Motovelocidade e aproveitando toda a sua vasta experiência e alta tecnologia no desenvolvimento de bólidos de duas rodas, lança a espetacular Brutale 1000 RR, uma supernaked que chega para definir os novos parâmetros da categoria.

MV Agusta Brutale 1000
MV Agusta Brutale 1000 RR: design inconfundivelmente italiano (Divulgação)

Esta versão RR deriva da MV Agusta Brutale 1000 Gold Series apresentada no Salão de Milão de 2018 e muitos dos aspectos desta Brutale 1000 RR vem da F4 1000 com a qual Jordi Torres competiu no World Superbike. A MV Agusta Brutale 1000 RR é uma streetfighter premium, com guidão alto instalado na mesa superior e uma série de equipamentos top de linha e exclusivos para alta performance.  A MV Agusta Brutale 1000 RR custa 13.000 Euros a menos que a Brutale 1000 Gold Series, chegando a 29.990 Euros, mas nem por isso ela é menos exclusiva, pois ostenta tudo que há de melhor em equipamentos e acessórios para torná-la a nova referência da categoria das supernakeds premium.

MV Agusta Brutale 1000
MV Agusta Brutale 1000 RR: nova referência na categoria supernaked (Divulgação)

O motor de quatro cilindros em linha de 998 cm³ passou por uma evolução e agora ele gira até as 14.000 rpm, com pico de potência máxima em 13.000 rpm, o que confirma seu DNA das corridas. Corrente de comando no centro do eixo, válvulas e bielas de titânio e pistões de baixo atrito garantem o perfeito funcionamento para extrair o máximo de potência da usina. O sistema de lubrificação foi todo reprojetado para garantir uma lubrificação perfeita nas fortes acelerações, nas curvas e, principalmente, quando a roda dianteira insiste em sair do chão. Com a lubrificação aprimorada, houve além da redução de atrito, a redução de ruídos mecânicos e uma significante melhora no funcionamento e operação do câmbio.

Novos parâmetros na categoria supernaked de alta performance (Divulgação)

Pensando em diminuir o peso, os engenheiros italianos resolveram retirar o sistema TSS para variar o comprimento dos dutos de admissão conforme o regime de rotações, então reprojetaram uma nova caixa de admissão e um novo sistema de injeção, com dois bicos injetores para cada cilindro para garantir não só uma melhor combustão, mas também menor consumo e menor índice de emissões. São declarados 208 cavalos de potência e mais de 300 km/h de velocidade final.

Leve e ágil para superar a barreira dos 300 km/h: (Divulgação)

O novo sistema de escapamento 4x1x4 é fabricado pela Arrow e confeccionado de tal forma que o torque em baixa fique mais evidente. A eletrônica é de dar inveja às melhores superbikes da atualidade, empregando uma central inercial de seis eixos de última geração para gerenciar o controle de tração de oito níveis e o sistema anti-wheelie, que também podem ser desligados. O pacote eletrônico inclui também quatro modos de pilotagem, Sport, Race, Rain e um personalizado, quick shifter bidirecional e piloto automático.

Carenagem da MV Agusta Brutale 1000
MV Agusta está para as motos assim como a Lamborghini para os carros (Divulgação)

Nos componentes destacam-se as suspensões e o amortecedor de direção Öhlins eletrônicos. O sistema de freios é o melhor da atualidade, com pinças Brembo Stylema assistidas pelo ABS Bosch 9.1 de curvas. Para diminuir o peso ao máximo, uma bateria de lítio equipa a Brutale 1000 RR.

Veja também:
Projeto Motostory: Os tais Fittipaldi
Yamaha GTS 1000 é transformada em naked futurista
Comparativo: Yamaha Lander x Royal Enfield Himalayan

Iluminação Full LED e muita eletrônica embarcada (Divulgação)

O chassi é do tipo misto, possui uma estrutura frontal de tubos de aço e duas placas laterais de alumínio que fixa um braço oscilante monobraço, também de alumínio, cujo eixo pode ser ajustado em altura. Embora o chassi seja muito semelhante ao da F4 1000, diversas modificações foram feitas levando em consideração que a proposta da Brutale 1000 RR é de uma motocicleta muito leve e idealizada para exceder a barreira dos 300 km/h.

MV Agusta Brutale 1000 tem assistência eletrônica para suspensões e freios
Suspensões e freios com assistência eletrônica (Divulgação)

A ergonomia destaca-se pela posição ereta do motociclista, não apenas com o semi-guidão instalado sobre a mesa superior, mas também a nova altura do assento que passa para 845 mm em vez do 830 mm. As pedaleiras são mais baixas e avançadas do que na F4 1000 e ainda são reguláveis.

Pedaleiras reguláveis e quick shifter bidirecional (Divulgação)

O design do body kit é completamente novo e se assemelha muito com a primeira Brutale 750 S de 2003, porém modernizada com iluminação Full LED, setas que desligam automaticamente, controladas pela IMU, bem como o painel TFT de 5” com conexão Bluetooth.

MV Agusta Brutale 1000: tecnologias das corridas
Asas no radiador vem das corridas (Divulgação)

Elementos marcantes no visual são as asas na altura do radiador e as ponteiras de escapamento elevadas, soluções nunca vistas nas naked e que são uma clara alusão à alta performance e às altas velocidades que esta legítima motocicleta italiana pode alcançar.

Conteúdo Recomendado

Comentários