Card image
Notícias
Chega ao Brasil a CBR 1000RR-R Fireblade SP mais potente da história

7 Minutos de leitura

  • Publicado: 10/09/2021
  • Atualizado: 13/09/2021 às 6:46
  • Por: Ismael Baubeta

A Honda CBR 1000RR Fireblade ganhou seu último campeonato mundial de Superbike em 2007, com James Toseland, cinco anos depois de Colin Edwards fazer o mesmo pela marca.

A Honda tem uma hegemonia invejável na MotoGP, nos últimos dez anos a marca conseguiu sete títulos, seis com Marc Marquez e um com Casey Stoner, em 2011.

Em contrapartida a Honda não tem os mesmos resultados positivos no campeonato mundial de superbike, isto impulsionou o salto de desempenho que a Honda buscou no projeto da na nova CBR 1000 RR-R Fireblade.

HONDA CBR1000RR-R SP
A CBR 1000RR-R Fire Blade SP foi projetada para desempenho em pista, embora possa ser emplacada. (Foto: Divulgação)

Veja também:
Triumph confirma data de lançamento da Speed Triple RR
KTM revela pequenas esportivas RC 125 e RC 390
Usada da Vez: Honda Gold Wing é mais do que uma moto

Projeto totalmente novo

A Honda utilizou tecnologias e materiais utilizados na moto de Marc Marquez, da MotoGP para desenvolver a nova CBR 1000RR-R Fireblade. Nada da versão anterior restou, a não ser, o nome e o conceito “Total Control”.

CBR 1000RR-R Fireblade SP
O design da nova Fireblade ganhou prêmio do Red Dot Design Awards (Divulgação)

Carenagem mais eficiente

À primeira vista seu desenho de linhas fluidas e bem-marcadas contrastam com as asas laterais e a bolha mais alta e estreita, tudo desenvolvido em túnel de vento procurando o menor arrasto aerodinâmico, a melhor proteção do piloto e mais estabilidade com o efeito downforce das asas da carenagem.

CBR 1000RR-R Fireblade SP
Menor coeficiente de arrasto aerodinâmico e mais estabilidade com as asas (Divulgação)

Soluções e tecnologia da MotoGP

A Honda manteve a arquitetura do motor quatro cilindros em linha, porém agora ele está mais leve, estreito e muito mais potente.

Os engenheiros da HRC (departamento de competições da Honda) trabalharam em conjunto com o time de desenvolvimento da marca e trouxeram várias componentes, materiais e soluções utilizadas na moto de Marc Marquez, da MotoGP.

Honda CBR 1000RR-R Fireblade
Mais esguia, mais potente e mais leve, assim é a nova CBR 1000RR-R (Divulgação)

Honda CBR 1000RR-R Fireblade é a mais poderosa de todas

O motor agora compartilha as mesmas medidas de diâmetro e curso de pistões da RC 213V, são 81 mm de diâmetro e 48,5 mm de curso (antes era de 76 x 55,1 mm respectivamente).

Uma das preocupações da Honda foi reduzir ao máximo o atrito e a inércia dos componentes internos, por isso as válvulas de titânio são acionadas por balancins roletados, o que, segundo a fábrica, reduz 75% o atrito deste componente.

O comando de válvulas recebeu tratamento de superfície DLC (Diamond Like Carbon), mesma tecnologia utilizada na MotoGP, para reduzir o atrito das peças.

A taxa de compressão de 13,2:1 exigiu bielas de titânio, pistões de alumínio, ambos forjados, virabrequim reforçado e paredes do bloco do motor mais grossas.

Honda CBR 1000RR-R Fireblade

A alta rotação que o motor pode alcançar, aliada a maior taxa de compressão e o menor curso dos pistões, exigiu melhor arrefecimento, para isso vários injetores de óleo pulverizam e refrigeram os cilindros a cada ciclo. Em baixas rotações e temperaturas menores eles são fechados, através de esferas para manter a pressão do óleo de acordo.

Honda CBR 1000RR-R Fireblade

O sistema de escapamento foi desenvolvido em parceria com a Akrapovic também para otimizar a melhora dos fluxos de admissão com corpos de borboletas mais generosos e mais curtos. Os tubos da curva de escape são ovalados para melhorar a descarga dos gases e uma nova válvula foi instalada para melhorar a entrega em baixas e médias rotações.

Este novo projeto garantiu à Honda CBR 1000RR-R uma potência máxima de 216,2 cv a 14.500 rpm e 11,5 kgf.m a 12.500 rotações de torque.

Maior controle

A Honda desenvolveu o chassi de alumínio do tipo Diamond e desenhou uma nova balança do mesmo material. Segundo a fábrica o processo de produção permitiu aumentar em 18% a rigidez vertical e em 9% a torcional, enquanto a rigidez horizontal foi reduzida em 11%, tudo buscando oferecer maior nível de sensibilidade.

Honda CBR 1000RR-R Fireblade

A geometria também foi alterada, a medida do entre-eixos aumentou para 1.455 mm (antes era de 1.405 mm), assim como o ângulo de cáster e o trail, que passaram a ter 24° e 102 mm respectivamente, quando eram de 23° e 96 mm na versão anterior.

Distribuição de peso

O motor foi reposicionado, assim o virabrequim ficou 33 mm mais distante e 16 mm mais lato em relação à roda dianteira, o que, segundo os engenheiros, favorece a agilidade a maiores ângulos de inclinação.

Agora parte superior do amortecedor traseiro é ancorado no bloco do motor, a balança em alumínio é mais longa e sua rigidez horizontal menor, buscando maior estabilidade e feeling para o piloto.

Eletrônica da Honda CBR 1000RR-R Fireblade

O pacote eletrônico é completo e de última geração, o acelerador eletrônico e a plataforma inercial de seis eixos (IMU) permitem todo tipo de controle e ajustes da CBR 1000RR-R.

Honda CBR 1000RR-R Fireblade
No punho esquerdo o acesso aos menus de configurações.

São três modos de pilotagem pré-definidos, Power que age na potência (5 níveis), Engine Brake que gere o freio motor (3 níveis) e Whellie, que limita as empinadas e tem três níveis.

Aliados a eles, o HSTC, controle de torque para a roda traseira ajuda a entregar a potência com o nível de derrapagem que o piloto escolher entre os nove possíveis. O amortecedor de direção também é controlado eletronicamente.

Suspensões

Como não poderia de deixar de ser, o conjunto de suspensões também tem gerenciamento eletrônico total, de acordo com o modo escolhido, também é customizável pelo piloto.

O trabalho fica a cargo das competentes suspensões eletrônicas S-EC (Semi Active Electronic Control) da sueca Öhlins.

CBR 1000RR-R Fireblade SP

Acompanhe a MOTOCICLISMO também pelas mídias sociais!
– 
Instagram – Facebook – YouTube – Twitter

As bengalas são Öhlins NPX pressurizadas de 43 mm de diâmetro e tem curso maior do que a versão anterior. Na traseira o amortecedor é o TTX36 Smart-EC.

A interface OBTi (Objective Based Tuning Interface), ou interface de ajuste por objetivo em português, permitem ajutes finos de ambas com possibilidade de memoriza-los.

Freios

O sistema de freio tem pedigree italiano, as pinças são Brembo Stylema, radiais e monobloco responsáveis por morder dois discos de 330 mm na roda da frente. A bomba de acionamento também é radial, garantindo mais precisão ao conjunto. Atrás a pinça é de pistão único.

Honda CBR 1000RR-R Fireblade

Outros componentes da Honda CBR 1000RR-R Fireblade

O painel é em TFT de cinco polegadas e tem maior resolução do que o anterior, o sistema de ignição agora é do tipo Smart key, o que elimina a utilização de chave para dar a partida ou travar a moto.

  • HONDA CBR1000RR-R SP
  • HONDA CBR1000RR-R SP

A flamante CBR 1000RR-R Fireblade SP estará em pré-venda a partir de 13 de setembro nas concessionárias Honda Dream e o preço do investimento nesta maravilha é de R$ 159.000.

Conteúdo Recomendado

Comentários