Card image
Notícias
Venda de motos em abril têm pior resultado desde 1996

2 Minutos de leitura

  • Publicado: 04/05/2020
  • Atualizado: 05/05/2020 às 15:19
  • Por: Willian Teixeira

Por causa do coronavírus e da paralisação de concessionárias, a venda e o emplacamento de motocicletas recuou em abril e no acumulado do ano em comparação aos mesmos períodos do ano passado, de acordo com dados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

Segundo o relatório, em abril deste ano foram emplacadas 28.256 motos, contra 93.380 no mesmo mês de 2019, o que corresponde a uma queda de 69,74% nas vendas. Já o volume comercializado no acumulado do ano registra um recuo de 21,85% sobre a mesma época de 2019. Entre janeiro e abril de 2020 foram lacradas 275.174 unidades, enquanto no mesmo período do ano passado foram ao todo 352.099 motocicletas.

Fenabrave indica que venda de motos teve pior resultado para abril em 24 anos
Venda de motos em abril tem pior resultado em 24 anos (Divulgação)

Veja também:
Marcas recorrem ao atendimento virtual durante pandemia
Yamaha retoma produção de motos em Manaus; BMW estende pausa
Honda estende pausa em Manaus até meados de maio

De acordo com a Fenabrave, o resultado é o pior para o mês de abril nos últimos 24 anos e dos últimos 17 anos para o quadrimestre. Vale destacar que todo o setor apresentou queda nos números no período. Em abril deste ano foram emplacados 89.692 veículos entre automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, implementos rodoviários e motocicletas, contra 339.388 veículos no mesmo mês do ano passado, um recuo de mais de 73%, segundo o relatório.

O relatório mostra que o Nordeste foi a região do país que registrou mais vendas de motocicletas em abril, com 25,11% do total. Na sequência aparecem Sudeste (19,95%), Centro-Oeste (18,73%), Norte (18,25%) e Sul (17,96%). Na participação por marcas a Honda segue na liderança, com 22.870 unidades emplacadas em abril, seguida de Yamaha (3.931), BMW, (309), Kawasaki (255) e Harley-Davidson (166).

Vale ressaltar que há diferenças entre o número de vendas das fábricas e o de emplacamentos causado pela impossibilidade de lacrar novos veículos, com a pandemia houve o fechamento dos Detran Brasil afora.