Card image
Notícias
Electro foca nos modelos elétricos para crescer no Brasil

2 Minutos de leitura

  • Publicado: 02/03/2018
  • Por: Carlos Bazela

Electro, moto elétrica, veículo elétrico, Goianésia, Goiás, Vip Ride, Sport Power, City, Scooter, bateria, Confederate, Curtiss Motorcycles, Zero Motorcycles, Harley-Davidson, elétrica, Livewire As motos elétricas estão ganhando cada vez mais espaço no mercado mundial. A norte-americana Zero Motorcycles, a europeia Energica, que vai comandar uma categoria no Mundial de Motovelocidade só com versões da sua superesportiva Ego no ano que vem, a Confederate, que se redeu ao motociclismo sem emissões ao se tornar Curtiss Motorcycles e até a Harley-Davidson com sua vindoura Livewire são exemplos de que o mercado cresce a cada dia. E o Brasil não poderia ficar de fora dessa: na próxima semana, a Electro Motors, montadora brasileira focada em veículos 100% elétricos, inicia oficialmente suas atividades cadastrando interessados em se tornarem concessionários.

Ao todo, o portfólio é composto por sete modelos, sendo sua grande maioria bicicletas elétricas. Já, entre as motos, a marca terá dois scooters, um mais esportivo e outro com apelo retrô, ambos ainda sem nome e dados técnicos revelados e dois modelos city: a Vip Rider, que tem design semelhante à Honda CG e a Yamaha Factor e a Sport Power, com linhas mais esportivas, como os modelos de 250/300 cm³.

Electro, moto elétrica, veículo elétrico, Goianésia, Goiás, Vip Ride, Sport Power, City, Scooter, bateria, Confederate, Curtiss Motorcycles, Zero Motorcycles, Harley-Davidson, elétrica, Livewire As duas motos têm motor de 2.500w, opções de baterias de chumbo ou lítio, freios a disco, farol em led, alarme, preparação para som (USB), velocidade de até 80 km/h, autonomia de até 90 km, garantia de 3 anos. O tempo para recarga total é de 8 hora, mas com uma hora plugadas em uma tomada comum, as baterias já chegam a 70% da capacidade. De acordo com a Electro, os preços do line-up ainda estão em fase de definição, mas já se sabe que o scooter partirá de R$ 4 500, enquanto as motos com o pacote mais básico de baterias custarão por volta de R$ 10 000.

Sediada em Goianésia (GO), a Electro planeja nomear 15 pontos de venda e assistência técnica até o fim de 2018. Entretanto, segundo o comunicado do departamento de marketing da empresa, os planos serão ainda mais ambiciosos depois disso, com 90 concessionárias abertas em todo o território nacional até o fim de 2020. Até lá, a empresa deve diversificar o portfólio para além das motos e bicicletas, investindo em modelos de quatro rodas.

Conteúdo Recomendado

Comentários