Card image
Notícias
Editorial: Manaus, a capital da moto?

2 Minutos de leitura

  • Publicado: 01/07/2010
  • Por: admin

<p>Assim como tínhamos Detroit, nos EUA, como a cidade referência e de maior concentração de grandes fabricantes, no ramo dos automóveis, agora, eis que surge algo semelhante no mundo das motocicletas. Estou falando de Manaus, na Amazônia. Ela ficou conhecida no começo do século 20, nos tempos áureos da borracha. Nessa época, foi batizada como Coração da Amazônia e Cidade da Floresta. Atualmente, o seu principal motor econômico é o Polo Industrial de Manaus, em grande parte, responsável pelo fato de a cidade deter o 7º maior PIB do país.<br />
<br />
Sexta cidade mais rica do Brasil, o município possui a segunda maior região metropolitana do norte do país e a 12ª do Brasil, com 2 006 870 habitantes (IBGE/2009). Trazendo um pouco para o nosso negócio, podemos dizer que Manaus teve três ondas de desenvolvimento no setor motociclístico. A primeira foi a japonesa, com a chegada da Honda, em 1976, e, na sequência, a Yamaha, além da indústria de componentes para suprir essa demanda.<br />
<br />
Em 1992, a J. Toledo instalou a fábrica da Suzuki, assim como a AVA também montava as Kawasaki por lá. Atualizando, desde o ano passado, a própria Kawa está produzindo as Ninjinha 250 e as Z750 na Amazônia. Confira a reportagem nesta edição. Na década de 2 000, tivemos a onda chinesa, por meio de montadoras nacionais como Kasinski, Sundown, Traxx, Haobao e Dafra.<br />
<br />
A partir deste ano de 2010, estamos vivenciando o desembarque dos europeus, iniciando a terceira onda! A primeira marca foi a BMW e, agora, com as recentes notícias da Suframa sobre a comitiva italiana em Manaus, tudo indica que a Ducati, a MV Agusta e a Benelli comecem a produzir por lá. Contudo, o mais interessante é que a indústria italiana de componentes também virá para dar suporte à essas fabricantes. Definitivamente, Manaus será a capital mundial das motocicletas!  <br />
<br />
<span style="font-weight: bold;">Nível de nacionalização</span><br />
Um dos pontos a ser tratado é o de fornecedores de peças, os componentistas ou sistemistas. Sindicatos estão trabalhando fortemente para alterar as regras do PPB e querem aumentar o nível de nacionalização das motos. Com isso, o mais importante é que mais indústrias de peças vão para Manaus para suprir a demanda, pois, as fábricas atuais já quase não cumprem as necessidades. A Kasinski anunciou que diversos sistemistas chineses investirão em Manaus, produzindo componentes ao redor de sua nova fábrica, que será inaugurada em 2012. A comitiva italiana trouxe uma ótima expectativa para o setor, porque também revelou a possível chegada de componentistas.</p>

Conteúdo Recomendado

Comentários