Card image
Especiais
Ushuaia: Chegando ao fim do mundo

5 Minutos de leitura

  • Publicado: 26/03/2020
  • Por: Willian Teixeira

O título de “fim do mundo” talvez tenha transformado Ushuaia em um dos destinos mais procurados pelos motociclistas
Texto e fotos: Ton Pederneiras

As histórias de viagens de moto para Ushuaia (uma ilha e capital da província da Terra do Fogo, Argentina) estão por toda parte e estampam capas de muito livros. Além de ser a cidade mais austral do planeta ela traz inúmeras atrações, tanto na ilha onde se encontra, como nos caminhos que levam até lá. Viajar ao Ushuaia de moto não é simplesmente um deslocamento até o destino. São vários os caminhos que levam até lá, cada um com suas peculiaridades. A Ruta 3, por exemplo, segue pelo litoral do Atlântico, já a Ruta 40 pela base da cordilheira dos Andes, passando por cidades turísticas, e a Carretera Austral é um convite para os motociclistas mais aventureiros. São tantos lugares imperdíveis pelos diferentes roteiros que levam até lá que é impossível conhecer todos em uma só viagem, ainda mais se você tiver o tempo limitado.

Acho melhor começar “quase” pelo destino final. El Calafate está ao sul da Patagônia e é o portal para a região dos glaciares. Além de ficar na famigerada Ruta 40, a charmosa cidade é ponto de partida para acessar os glaciares, como o Fitz Roy, que domina a vista da estrada no caminho para El Chaltén. Lá é possível tomar um bom café e se aventurar pelos trekkings que levam a glaciares e lagos.

Outro passeio obrigatório, a partir de El Calafate, é para o impressionante glacial Perito Moreno, uma geleira que descansa sobre um imenso lago e se estende a perder de vista. Os passeios podem incluir a aproximação em barco ou caminhada sobre a geleira (com equipamentos próprios). Para os menos aventureiros é possível apreciar sua exuberância de longe, sobre uma ponte metálica e, quem sabe, até ver a queda dos paredões gelados sobre as águas do lago, em espetáculo único da natureza patagônica. Todos os passeios podem ser feitos como bate e volta a partir de El Calafate por ótimas estradas que rendem muitas paradas para fotos.

Entre o Chile e a Argentina

Após passear em volta de El Calafate, nosso próximo destino é mais ao sul, no Chile. Seguimos por excelentes estradas com visuais desérticos que fazem o motociclista desligar-se do mundo material. Já no Chile, após cruzar o Paso Don Guilhermo, seguimos para Puerto Natales, à beira do golfo que se conecta com o Oceano Pacífico. A cidade chama a atenção pelas construções de madeira e por seu símbolo pré-histórico: o Milodon, uma preguiça-gigante que foi descoberta em uma caverna próxima à cidade.

De Puerto Natales partimos para um dia mais aventureiro no tour e entramos, no meu entender, no mais belo parque da Argentina, o Torres del Paine. Recortado por estradas de terra batida, o lugar é perfeito para um passeio tranquilo admirando a vista. Dentro do parque a natureza faz a festa e as estradas contornam o relevo revelando belíssimas paisagens curva após curva, como é o caso do lago Toro. As motos vão levantando poeira até chegar à atração principal, os Cuernos del Paine. A visão das torres rubras e do glacial Grey que desce até um lago de água azul-turquesa (do degelo) pode vir acompanhada de excelentes pratos no restaurante e hotel Pehoe, que fica no meio do lago e é acessado por uma emblemática ponte. É tanta beleza que quase esquecemos que temos um destino final. Após a visita ao parque, descemos mais um pouco até a cidade de Punta Arenas, que é uma zona franca. Além das compras, a cidade oferece boa hospedagem para quem quer descansar e seguir para a Terra do Fogo depois.

De balsa para a Terra do Fogo

Algumas centenas de quilômetros depois, chegamos ao Estreito de Magalhães, que cruzamos por balsa, para enfim entrar na Terra do Fogo do outro lado. A travessia é acompanhada por golfinhos e focas curiosas. O famoso estreito leva o nome do navegador português que utilizou o estreito para conseguir concluir a primeira volta ao mundo.

Já na ilha cortamos sua estrada principal, repleta de cenários praticamente vazios povoados apenas por ovelhas e alguns guanacos. O rípio remanescente do roteiro está com os dias contados, já que as obras de pavimentação evoluem em rítmo acelerado. Mas se você quer aventura, é melhor se apressar, pois ainda dá tempo de atravessar boa parte da pitoresca estrada com os pedriscos de pavimento.

Passamos então pelo outro município da Terra do Fogo: Rio Grande, onde garantimos nosso último abastecimento. Na sequência, cruzamos uma floresta de árvores secas gigantes e subimos as curvas que levam ao mirante do Lago Fagnano, que serpenteia sob montanhas nevadas. Tudo fica mais impressionante quando lembramos que nossa localização é o extremo sul do planeta.

A chegada ao portal do Ushuaia emociona, e todos se cumprimentam como vencedores de um desafio. Na cidade há muitas atrações, como o passeio de catamarã à Pinguinera, que permite ver a cidade sob a montanha gelada e passear por ilhotas cheias de pássaros, leões-marinhos e pinguins. Lá também é possível andar de trem, visitar glaciares e o presídio fazendo trekking. Na gastronomia, a estrela é a Centolla, um carangueijo gigante, que também é divertido de comer.

Recomendo a viagem no verão, quando as temperaturas são mais amenas e os dias mais longos. Cada viagem a Ushuaia é uma experiência diferente mas uma coisa é certa: os dias de moto pela Patagônia vão brindar histórias incríveis.

Ton Pederneiras | 11 99512-1382
Tour Guide TRX e jornalista
www.destinoincerto.com.br
Apoio: Bieffe Capacetes e Alpinestars