Card image
Especiais
Conheça o Saúde e Alegria no Sertões (SAS)

7 Minutos de leitura

  • Publicado: 23/04/2020
  • Por: Willian Teixeira

Saiba mais sobre o Saúde e Alegria no Sertões, expedição de cunho social que em 2019 passou por sete estados brasileiros seguindo o maior rali das Américas ajudando comunidades carentes!
Texto e fotos: Ton Pederneiras

Faz sete anos que, nessa época, deixamos os nossos trabalhos e nossas casas para atravessar o sertão do Brasil seguindo o Rally dos Sertões, agora rebatizado apenas como Sertões, levando medicina e entretenimento na bagagem. Éramos oito amigos em 2013 e neste ano nos juntamos em 90 voluntários, divididos em caminhões, carros, ônibus e eu, como sempre, de moto, mas desta vez acompanhado de uma garupa incansável.

Pela primeira vez montamos duas expedições independentes para oferecer o máximo de benefício social, levando saúde e alegria por todas as cidade onde o rali passou. Na expedição tínhamos equipes de dermatologistas, oftalmologistas, ginecologistas, dentistas, psicólogos, veterinários, educadores e muitos profissionais empenhados em ajudar as pessoas em cada especialidade com carinho e alegria para comunidades carentes do país.

Saúde e Alegria no Sertões
Grupo de profissionais empenhados em ajudar ao próximo

São Paulo (SP) – Campo Grande (MS)

Em 2019 o rali começou em Campo Grande, então pegamos as boas rodovias de São Paulo para começar a viagem. Aos poucos alguns carros foram se integrando e a expedição foi crescendo. Saímos tarde e rodamos um pouco a noite para chegar a Presidente Venceslau e, no dia seguinte, até Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. A mudança de estado é marcante. As plantações cedem lugar a pastos e o verde de São Paulo muda para um cenário de árvores retorcidas.

Saúde e Alegria no Sertões
Atividades lúdicas com as crianças para brincar e aprender

Lá em Campo Grande encontramos a estrutura gigante SAS (Saúde e Alegria para os Sertões) 2019 Uma expedição de cunho social por sete estados brasileiros seguindo o maior rali das Américas ajudando comunidades carentes do rally, com seus carros e equipes instalados na imensa vila montada para o evento. Na cidade conhecemos todos os voluntários da expedição, atendemos duas aldeias indígenas e uma comunidade quilombola.

Saúde e Alegria no Sertões
Alegria em ajudar e alegrar é o que move o SAS

Campo Grande (MS) – Alto Garças (MT) – São Miguel do Araguaia (GO)

As cidades seguintes já haviam nos recebidos anteriormente e fez toda a diferença trabalhar entre amigos. Os caminhos também já haviam sido percorridos, mas cada viagem é uma história. Minha garupa estava experimentando pela primeira vez as maravilhas e perrengues de uma viagem longa. Em cada parada um sotaque, um “causo” e um pouco mais da vida no sertão, mas algo estava sempre presente: o sorriso e a curiosidade do povo humilde brasileiro ao ver a Tiger 800. Queriam saber um pouco mais sobre a moto e sobre os imigrantes voluntários.

Saúde e Alegria no Sertões
Dermatologista e idosa, saúde para todos

O rali corria paralelo à nossa expedição e muitas vezes ao final da tarde encontrávamos os pilotos chegando da especial do dia com os carros, motos e UTVs empoeirados, exaustos para uma noite curta de descanso. As estradas foram ficando pouco a pouco mais precárias e os buracos começaram a surgir, mas no horizonte ipês coloridos, araras e tucanos que cortavam o céu compensavam o desconforto. O amanhecer e o pôr do sol eram momentos imperdíveis na estrada e rendiam cenários únicos, com céus coloridos atrás da silhueta das árvores secas do sertão.

Saúde e Alegria no Sertões
Sorrisos impagáveis

Após o atendimento a São Miguel do Araguaia, fizemos uma visita imperdível ao Araguaia, um dos grandes rios que cortam o Brasil, no distrito de Luis Alves.

São Miguel do Araguaia (MT) – São Félix do Tocantins (GO)

O auge da viagem se deu bem longe do final. Aos poucos os buracos deram lugar às areias do Jalapão. Em pouco tempo estávamos envoltos naquele cenário onde basta fechar os olhos para não saber mais qual é a direção. Quando a travessia começava a virar pesadelo, devido ao calor e à areia fofa sob os pneus, surgia um riacho como alento e em volta dele a mata, com palmeiras que também comemoravam sua existência, formando um belo oásis.

Saúde e Alegria no Sertões
Crianças são multiplicadoras de conhecimento
Saúde e Alegria no Sertões
Conhecendo pessoas e suas histórias

Em meio ao absoluto nada, a experiência da viagem dependia de técnica de pilotagem, mas, mais que tudo, da cabeça do piloto. Tudo podia ser um retiro pacífico e curioso ou um filme de terror enlouquecedor, dependendo do ponto de vista. Os carros seguiram na frente e a moto atravessou o deserto sozinha, sem pressa para chegar e com muita atenção ao terreno traiçoeiro. No final veio a recompensa. A pequena São Félix do Tocantins nos recebeu de braços abertos e aos poucos cuidamos de seus habitantes. Uma cidade de artistas que cantavam as alegrias e tristezas do Jalapão. Um pulo na cachoeira cristalina da Formiga fechou com chave de ouro a visita.

Saúde e Alegria no Sertões
Vale tudo para alegrar as pessoas

São Félix (TO) – Bom Jesus (PI)

Muitas horas foram necessárias para deixar o terreno arenoso do Jalapão e seguir para o Piauí em uma expedição com vários dias de deslocamento que somavam mais de 1.000 quilômetros por ia. Mesmo nos dias em que ficamos parados, o desgaste foi grande por conta da ação social. Começávamos a atender cedo, e sob o calor incessante demos nosso melhor para transformar poeira em sorriso.

Na estrada estávamos tão cansados que foi necessário render-se ao sono assim que anoiteceu. Tivemos que parar para descansar uma horinha em um motel na beira da BR-135 para, então, noite a dentro, sob as estrelas, chegarmos à outra cidade muito querida do sertão brasileiro. Nesse dia foram 1.250 quilômetros rodados.

Saúde e Alegria no Sertões
Oftalmologista do Saúde e Alegria no Sertões atende paciente durante expedição
Saúde e Alegria no Sertões
Os animais também receberam atendimento do Saúde e Alegria no Sertões

Bom Jesus (PI) – Aquiraz (CE)

O calor não parava de subir – 43,5º na sombra do Piauí! Parte da equipe atendeu na zona urbana da cidade e parte foi para a zona rural, rodeada por cânions. A comunidade abraçou o SAS (Saúde e Alegria para os Sertões) e nós abraçamos seus habitantes. Batemos muitos recordes de atendimento e, como não poderia deixar de ser, histórias emocionantes foram escritas nos nossos corações, acostumados à alta velocidade.

Hora do desafio final para poder vestir a medalha dos Sertões. Mas ninguém disse que seria fácil. A Carrancuda, minha Tiger 800 com mais de 125.000 quilômetros, começou a vacilar. Um dos cilindros deixou de funcionar e todo o sistema entrou em colapso: partida difícil, consumo de óleo e gasolina excessivos e pouca força exigiam muitas paradas para vencer os mais de mil quilômetros repletos de buracos pela frente. Depois de tantos ralis vencidos, será que conheceríamos a nossa primeira derrota? Para ajudar, ainda levava uma garupa, o que aumentava minha preocupação. Mas, para minha surpresa, as forças que faltavam na moto sobravam na minha companheira de aventura, que não desanimou em momento algum e, literalmente, aos trancos e barrancos me ajudou a subir a rampa de chegada para, mais uma vez, comemorar um ano cheio de recordes do SAS.

Saúde e Alegria no Sertões
Noções de primeiros socorros também são levadas para o sertão
Saúde e Alegria no Sertões
Saúde e Alegria no Sertões: cuidando dos dentes da galera

Fortaleza (CE)

Hora de descansar das dificuldades da estrada, dos atendimentos e de dar descanso também à Carrancuda, depois de mais de 5.000 quilômetros de todo tipo de chão brasileiro. Aproveitamos os atrativos do destino litorâneo e pegamos passeios para locais paradisíacos brasileiros como Jericoacoara e Canoa Quebrada, repletos de encantos naturais, areia, mar e histórias divertidas contadas com sotaque nordestino.

SAS BRASIL: Quer fazer a diferença, viajar pelo Brasil e ajudar quem precisa? Conheça o SAS e seja um voluntário também! Saiba como em: www.sasbrasil.org.br

Ton Pederneiras | 11 99512-1382
Tour Guide TRX e jornalista
www.destinoincerto.com.br

Veja também:
O Deserto do Atacama sempre surpreende
Ushuaia, chegando ao fim do mundo
De Munique a Dubrovnik pela Costa do Adriático