Card image
Especiais
Projeto Motostory: Piratininga Moto Clube

4 Minutos de leitura

  • Publicado: 02/07/2020
  • Atualizado: 03/07/2020 às 12:38
  • Por: Willian Teixeira

Criado em março de 1942, o Piratininga Moto Clube precisou esperar o final da II Guerra para iniciar suas atividades.

Texto: Carlãozinho Coachmann
Fotos: Acervo Motostory / Reprodução

O programa oficial do “Torneio Interestadual de Motociclismo Grande Prêmio Piratininga”, de 7 de outubro de 1951, está quase completo. Apenas uma folha está faltando daquilo que pudemos perceber. A íntegra do documento oferece ao Motostory várias informações importantes sobre a formação de um dos mais marcantes motoclubes do esporte brasileiro: O Piratininga Moto Clube.

Foto tirada em 1946 no Rio de Janeiro, na primeira prova de subida de montanha. Reconheço Eloy Gogliano (Matcheless 5), Ernesto Pelegrino (Matcheless 33), Felipe Carmona (BMW 2), Luiz Bezzi (14)

Além de uma matéria especial descrevendo a fundação, a suspensão das atividades por conta da II Guerra Mundial e o reinício em 1945, ele nos mostra muito do comportamento de nossa sociedade da época, do valor dado à nossa história, aos ídolos daqueles tempos e do passado, do público que frequentava as provas e das empresas que apoiavam o motociclismo, muitas delas de fora do setor. Mais uma vez, optamos por reproduzir o texto que descreve os primeiros anos do Piratininga Moto Clube na íntegra. Depois, mais detalhes do que nos chamou atenção. Aproveitem sem moderação.

Piratininga Moto Clube

Em Março de 1942, após longo estagio das provas motociclisticas, surgiu o Piratininga Moto Clube, então organizado pelos esportistas João Georgewich, Carlos A. Oliveira Netto, Plinio Lares Seabra, Hans Havache, e outros. Acolhida com grande entusiasmo a fundação do Piratininga Moto Clube contou logo com inúmeros sócios fundadores, foram emitidas as primeiras cadernetas. Aprovado o emblema e elaborados os estatutos que hoje regem o clube. Mas, em consequência do estado de Guerra, logo veio o racionamento de gasolina e a proibição de qualquer prova motorizada. Assim sendo, viram-se aqueles esportistas constrangidos a suspender as atividades até que fosse restabelecida a distribuição do precioso combustível… E, assim, em 7 de outubro de 1945, na famosa “Esquina do Veneno”, um punhado de entusiastas do emocionante esporte do guidão, em comissão dirigiram-se para a então Federação Paulista de Ciclismo e Motociclismo dando os primeiros passos à filiação do novel PIRATININGA MOTO CLUBE.

O texto sob a foto de Felipe Carmona alerta que o campeão Paulista e Brasileiro de 1950, bravo defensor do P.M.C., que infelizmente não atuará na prova de hoje devido ao acidente que sofreu no treino da “Prova da Ferradura”, mas que certamente estará presente na segunda prova com “sua possante Norton Double-Cam”

Como organização especializada, a simpática agremiação, nascia oficialmente, instalando-se na Rua General Osorio, 701, contando sua primeira Diretoria eleita em memorável reunião, com os seguintes membros: Presidente: Eloy Gogliano; Vice-Presidente: Rubens Italo Orbite; Secretário-Geral: Darwin Pires; 1º Secretário: Ernesto Pelegrino; 1º Tesoureiro: Tenente Angelo Gaeta; 2º Tesoureiro: Gladston Pereira Barreto; Diretor de Esportes: Carlos Oliveira Netto.

Esta diretoria deu então os primeiros passos firmes em prol do engrandecimento do esporte, não se descuidando da parte social, aliás, com muito acerto, levando a efeito a 1ª Churrascada em 11 de novembro de 1945, na Praia de Interlagos, pic-nic que ficou guardado na lembrança de tantos quantos compareceram ao belíssimo logradouro, decorrendo o mesmo em ambiente franco e sadio, predominando o elemento feminino e a mutua cordialidade entre todos os presentes.

Angelo Pagotti, Bicampeão Paulista da categoria 350cc Esporte, eleito pela Diretoria de Esportes do Estado de São Paulo como “melhor esportista de 1949” graças ao seu devotamento leal e desinteressado ao motociclismo

Dando inicio às suas atividades esportivas, o P.M.C. organizou em 29 de novembro de 1945 três interessantes provas de regularidade, na qual participaram inúmeros motociclistas, destacando-se Olavindo de Arruda, Antonio Comino e Felipe Carmona como vencedores.

A primeira prova de velocidade realizada na pista de Interlagos em 28 de abril de 1946, despertou desusado interesse em nosso público, reunindo aproximadamente 30 000 pessoas que lotou [sic] completamente as adjacências da Pista e manteve-se todo o desenrolar das provas, manifestando-se entusiasticamente a cada um dos lances sensacionais.

O texto segue e mais adiante faz referência a provas de Speedway realizadas na pista de atletismo do Estádio Municipal do Pacaembu, este “perigoso esporte para o praticante e empolgante para o público.” A última prova realizada aconteceu em 23/9/1947. Além disso, o Grande Premio Piratininga, torneio composto por três provas, homenageia a imprensa esportiva, rádio esportiva e fotógrafos esportivos de São Paulo. Outro detalhe importante das publicações da época é a constante reverência àqueles que, no passado, construíram os caminhos que os levaram até aquele dia.

DESTAQUE PARA os anúncios que faziam parte do programa do Grande Prêmio Piratininga: Indústrias Reunidas EPEL anuncia liquidificadores e eletrodomésticos, Aguardente de Cana Pirassununga 19 (não é 51 ainda), Capas São Jorge, Cosmopolita Metais, Teatro Brasileiro de Comédia, Malhas Ceppo, Pneus Avon, Oficinas Reunidas Trivellato, Irmãos Gogliano, Peças Genuínas GM e a Auto Estradas S/A anunciando “os terrenos de maior futuro em São Paulo: INTERLAGOS”

Texto publicado na edição 245 da revista MOTOCICLISMO
Acompanhe o Motostory em: www.motostory.com.br