Card image
Especiais
Produção de motos volta a superar 120 mil unidades

2 Minutos de leitura

  • Publicado: 12/05/2021
  • Por: Willian Teixeira

Após registrar o melhor resultado dos últimos seis anos em março, a indústria brasileira de motocicletas manteve os sinais de recuperação e fechou abril em alta, superando pelo segundo mês consecutivo a marca de 120.000 motos produzidas.

De acordo com a Abraciclo, a foram fabricadas em abril 122.220 motocicletas, volume 2,8% menor do que as 125.756 do mês de março mas que representa um crescimento superior a 7.000% quando comparado com abril de 2020, mês que teve apenas 1.679 unidades fabricadas. Apesar disso, nunca é demais lembrar que o resultado do ano passado foi prejudicado pela pandemia, que causou o fechamento das fábricas em Manaus.

Produção de motos volta a superar 120 mil unidades
Fábrica da Honda em Manaus (Divulgação)

Veja também:
Honda ADV volta a se destacar entre scooters mais emplacados

MOTOCICLISMO e Bike Consulting apresentam a Usada da Vez
Inspeção gratuita: manutenção preventiva é sinônimo de segurança!

No acumulado de janeiro a abril foram fabricadas 359.612 motocicletas, número que corresponde a uma alta de 20,2% em relação ao mesmo período de 2020, que teve 299.278 unidades produzidas. O resultado para o quadrimestre é o melhor desde 2019, ano em que a produção somou 367.986 motocicletas no período.

Produção de motos volta a superar 120 mil unidades
Linha de montagem de motocicletas da Yamaha em Manaus (José Paulo Lacerda/CNI)

Acompanhe a MOTOCICLISMO também pelas redes sociais!
– Instagram – Facebook – YouTube – Twitter

O presidente da Abraciclo, Marcos Fermanian, avalia que os números comprovam a recuperação do setor e diz que a perspectiva para os próximos meses é a de manter o ritmo e regularizar o abastecimento. O executivo confirma as projeções da entidade, de produzir 1.060.000 motocicletas em 2021, o que representa uma alta de 10,2% na comparação com as 961.986 registradas no ano passado.

“Se mantivermos a produção nesse ritmo e tivermos uma aceleração no programa de vacinação para evitar uma nova crise sanitária mais grave, poderemos até fazer uma eventual revisão dos números no segundo semestre”, finaliza Fermanian.

Conteúdo Recomendado