Card image
Especiais
Coluna do Raul: As duas rodas na Espanha

3 Minutos de leitura

  • Publicado: 31/07/2022
  • Por: Redação

A Coluna do Raul deste mês está demais! Nela, o autor comenta sobre um estudo realizado em 2020, divulgado pela Associação Espanhola de Fabricantes de Motos, o qual revela dados interessantes sobre usuários de motos e scooter.

Por Raul Fernandes Jr.*

As cidades de Barcelona, Madri e Valência respondem pelo parque circulante de 30% das motocicletas na Espanha. O número de scooter registrados aumentou 54% na última década e apenas 15% das motos são de propriedade de mulheres. De acordo com esse relatório, as três cidades abrigam um total de 1,02 milhão de motos, dos 3,39 milhões de motocicletas, scooter e ciclomotores que circulam na Espanha.

Coluna do Raul

No final de 2020, a província de Barcelona encabeçava com folga essa lista com 510.650 unidades. É um número significativo para o país, pois supera a soma das províncias de Madri (318.533) e Valência (192.414). Essas três províncias têm características comuns que favorecem o tráfego de veículos de duas rodas, os grandes centros urbanos e o clima ameno.

Seguros em alta

Na última década (2010-2020), percebeu-se claramente duas tendências no segmento das motos. Enquanto o número de ciclomotores assegurados diminuiu 45%, o número de motocicletas aumentou praticamente na mesma proporção, e o dos scooter evoluiu ainda mais, porque aumentou em 54%.

Analisando mais a fundo o estudo, os usuários de duas rodas têm perfil jovem e adultos maduros. O perfil individual mais comum nos motociclistas é de pessoas de 47 anos, geralmente experientes.

Nos scooter, 86% dos proprietários dirigem há mais de dez anos. O estudo também teve uma análise do amor pelas motocicletas que coloca Málaga como a província com mais veículos de duas rodas por habitante. Já por municípios, Pozuelo de Alarcón é a cidade mais motociclista por excelência na Espanha.

Piaggio vence Peugeot em disputa por patente do scooter MP3

Esse relatório mostrou como os homens ainda predominam no mundo do motociclismo espanhol. As mulheres são proprietárias de apenas 15% dos veículos de duas rodas. Esse número está significativamente abaixo da presença global de mulheres como proprietárias de todos os tipos de veículos automotores (26%). Mesmo no meio motociclístico, existem diferenças, porque elas possuem 22% dos ciclomotores e 20% dos scooters (de menor peso e maior caráter urbano).

Acompanhe a MOTOCICLISMO também pelas mídias sociais!
– Instagram – Facebook – YouTube – Twitter

Já no Brasil, conforme reportagem publicada no site da Motociclismo Online, e segundo dados do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) analisados pela Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo), o número de mulheres habilitadas para pilotar motos cresceu 95,7% entre 2011 e 2020.

As mulheres motociclistas habilitadas saltou de pouco mais de 4 milhões para 7,9 milhões. Segundo o levantamento, mais de 985 mil CNHs de categoria A foram tiradas por elas em todo o país até novembro de 2020. O Brasil está mudando bastante e as mulheres também estão “invadindo” o mundo da moto. Que bom!

Gostou da Coluna do Raul? Mês que vem tem mais!

Raul Fernandes Jr é especialista em mercado de motocicletas, presidente da AssoRoyal (Associação dos Revendedores Royal Enfield do Brasil), sócio do Grupo 2W Motors e ex-diretor de redação da revista MOTOCICLISMO Brasil.

Conteúdo Recomendado

Comentários